Cotidiano

Itens básicos do prato, arroz e carne tiveram alta de até 18% em Campo Grande, diz pesquisa

Comprar os itens básicos que fazem parte do prato do brasileiro está ficando cada vez mais caro para as famílias. Pesquisa feita pelo Diesse (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), aponta alta de aproximadamente 18% no preço do arroz e quase 9% no da carne em Campo Grande, somente no mês de outubro. Mas […]

Dayene Paz Publicado em 06/11/2020, às 11h00 - Atualizado às 11h04

(Ilustrativa)
(Ilustrativa) - (Ilustrativa)

Comprar os itens básicos que fazem parte do prato do brasileiro está ficando cada vez mais caro para as famílias. Pesquisa feita pelo Diesse (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), aponta alta de aproximadamente 18% no preço do arroz e quase 9% no da carne em Campo Grande, somente no mês de outubro. Mas não são apenas estes produtos que aumentaram o valor, o óleo de soja ainda está na lista.

A pesquisa do Diesse pesquisou 15 capitais brasileiras. Delas, Campo Grande registrou a 3ª maior variação no preço da cesta básica, de 5,54%, com custo médio de R$ 520,12. Esse valor pode chegar a R$ 1.560,36 para uma família de quatro pessoas. A jornada de trabalho necessária para adquirir uma cesta básica é de 109 horas e 30 minutos.

Conforme o Departamento, durante a pesquisa foi constatado que entre os itens básicos de consumo, o açúcar cristal não teve variação de preço, permanecendo em outubro com o preço médio no mês de setembro, de R$ 2,19 o quilo. Pelo terceiro mês consecutivo, o óleo de soja foi o item com maior variação, de 20,75%. O preço médio do produto foi de R$ 6,74.

Além de Campo Grande, o valor do óleo também apresentou aumento em todas as capitais pesquisadas, com destaque para Brasília (47,82%), João Pessoa (21,45%) e Porto Alegre (20,22%). O alto volume de exportação, baixa oferta interna devido à entressafra e a elevação do preço do grão no mercado internacional explicam o contínuo aumento de valor do óleo nas prateleiras dos mercados.

Ainda, de acordo com o Diesse, outros itens em alta, na comparação com o mês de setembro foram: arroz (18,91%), tomate (18,67%), carne bovina (8,28%), batata (7,78%), manteiga (2,48%), café em pó (2,44%), pão francês (2,07%) e banana (1,31%).

Por outro lado, outros itens apresentaram redução. A mais expressiva foi observada no preço do leite integral, de -2,67%, sendo de R$ 4,76 o preço médio de um litro do alimento. Outros produtos que registraram redução de preços em relação a setembro foram: feijão carioquinha (-2,16%) e farinha de trigo (-0,65%).

Jornal Midiamax