Cotidiano

Idosa vive em situação precária em bairro de Campo Grande e caso vai parar no MPMS

A situação precária em que uma idosa vive virou caso de denúncia na 44ª Promotoria de Justiça do Idoso do MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul). Viúva e morando sozinha em uma casa no Bairro Caiobá, em Campo Grande, a mulher conta com a ajuda de vizinhos para sobreviver. Conforme a denúncia registrada […]

Mariane Chianezi Publicado em 27/10/2020, às 17h32 - Atualizado em 28/10/2020, às 10h56

Foto: Reprodução, WhatsApp Midiamax
Foto: Reprodução, WhatsApp Midiamax - Foto: Reprodução, WhatsApp Midiamax

A situação precária em que uma idosa vive virou caso de denúncia na 44ª Promotoria de Justiça do Idoso do MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul). Viúva e morando sozinha em uma casa no Bairro Caiobá, em Campo Grande, a mulher conta com a ajuda de vizinhos para sobreviver.

Conforme a denúncia registrada no MPMS por uma moradora, a idosa ficou viúva há dois anos e desde então, permanece na casa. Até o momento, nenhum familiar ou alguém que se responsabilizasse por ela apareceu. A denúncia relata que a idosa já chegou a mendigar pelas ruas do bairro, pedindo comida e dinheiro. Ela seria aposentada, mas uma terceira pessoa estaria recebendo o benefício por ela.

A casa onde a senhora vive não tem limpeza, móveis ou fornecimento adequado de luz e água. De acordo com a denúncia, a idosa toma banho de balde e, das poucas vezes que teve roupas limpas, foi contando com a ajuda de vizinhos que levaram as peças para lavar em casa.

Fotos encaminhadas ao Jornal Midiamax mostram a situação do local onde a mulher vive. A reportagem entrou em contato com a SAS (Secretaria Municipal de Assistência Social) e foi informada de que uma equipe do Creas (Centro de Referência Especializado de Assistência Social) seria encaminhado ao local para verificar a situação da moradora.

O MPMS também foi contatado, mas até o fechamento deste material, não havia se pronunciado. Responsável pela 44ª Promotoria de Justiça, Cristiane Barreto Nogueira Rizkallah, ainda analisa a denúncia, feita no dia 19 de outubro.

Jornal Midiamax