Cotidiano

Entre cães, gatos e até calopsitas, MS tem mais pets do que crianças nos lares

Pesquisa recente revela que atualmente há mais animais do que crianças nos lares brasileiros, e o Mato Grosso do Sul também faz parte desta realidade. O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) aponta que o total de crianças (0 a 13 anos) é de 556 mil, enquanto  584 mil domicílios possuem algum cachorro, podendo […]

Carolina Rocha Publicado em 06/12/2020, às 08h20 - Atualizado em 07/12/2020, às 08h20

Três dos cinco pets da médica veterinária, Carolina Guimarães.
Três dos cinco pets da médica veterinária, Carolina Guimarães. - Três dos cinco pets da médica veterinária, Carolina Guimarães.

Pesquisa recente revela que atualmente há mais animais do que crianças nos lares brasileiros, e o Mato Grosso do Sul também faz parte desta realidade. O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) aponta que o total de crianças (0 a 13 anos) é de 556 mil, enquanto  584 mil domicílios possuem algum cachorro, podendo ser um número maior por casa, sem contar em outros pets que as pessoas possuem, como gatos, passarinhos, entre outros.

Com cinco animais de estimações em casa, a médica veterinária Carolina Guimarães está dentro da pesquisa que indica um número maior de pets do que crianças. Ela diz que pensa sim em ter filhos, mas os animais também sempre fizeram parte do seu lar. Como trabalha com isso, se deparou com algumas situações mais difíceis de alguns cães e gatos e acabou adotando três dos seus cinco pets.

Entre cães, gatos e até calopsitas, MS tem mais pets do que crianças nos lares
Os cinco pets da médica veterinária, Carolina Guimarães.

Na casa moram ela, o marido, quatros cachorros e um gato. Ela diz que não quer mais adotar por achar que esse é limite em  para que todos os seus animais tenham qualidade de vida. Sua cachorra mais velha já possui 17 anos e vive muito bem, por isso leva em conta o cuidado que precisa ter com cada um deles.

Ter criança em casa faz parte do plano, mas ela diz que uma criança demanda todo um planejamento, pretende ter uma estabilidade financeira para conseguir chegar nesta fase. Mas enquanto isso os animais são considerados filhos também, pois também dão muito trabalho, mas reforça que o esforço sempre compensa.

“Bichinho é a melhor coisa que tem, melhor companhia, mesmo com marido, eles estão sempre perto, dando amor o tempo inteiro”, diz a veterinária.

Inusitados

Um pouco diferente dos animais de estimação tradicionais, a funcionária pública, Vanessa Carrilho é dona de duas calopsitas e diz que elas são tão apegadas quanto qualquer outro cachorro que já teve. Desde pequena a servidora sempre teve pets em casa: tartaruga, hamster e cachorros.

Entre cães, gatos e até calopsitas, MS tem mais pets do que crianças nos lares
Vanessa Carrilho com suas duas calopsitas.

Quando se casou e mudou para um apartamento queria um novo pet, mas sabia que um cachorro ficaria apertado. Mas nunca tinha pensado em passarinho, até que um dia seu marido trouxe um filhote de periquito machucado e ela cuidou, até que se recuperou e foi embora. Então começou a pensar na ideia e foi presenteada com uma calopsita.

Desde então se apegou as aves e diz que é um animal extremamente dócil “quando estou chegando em casa elas começam a cantar, repetem o que falamos e estão sempre por perto.” Vanessa não pretende ter filhos e os animais são ótimas companhias e seres que precisam de cuidado.

Já a professora, Vanessa Rocha, segue a linha dos animais de estimação mais comuns e possui duas cachorrinhas, Pantufa e Meg. E conta que também sempre foi muito apegada nos animais e quando casou sentiu falta disso, foi quando decidiu ter a primeira cachorra, pantufa e depois veio a Meg. E diz que desde de então a casa fica muito mais animada e que são suas companheiras.

Entre cães, gatos e até calopsitas, MS tem mais pets do que crianças nos lares
Pantufa e Meg, da Vanessa Rocha.

Ela pensa que para querer ter filho, precisa de muito planejamento e ainda de uma total certeza, pois sabemos que uma criança muda completamente a vida. Por isso, ainda opta pelo amor dos animais. “Todos os dias chego em casa e sou recebida com tanta alegria delas, isso não tem preço.”

Com isso, percebe a facilidade de encontrar casas em que animais sejam mais comuns do que crianças, colocando os números em realidades. Assim como muitos estados, Mato Grosso do Sul aumenta cada vez mais o número dos pets nos lares.

Jornal Midiamax