Cotidiano

Em estado grave, homem atingido por raio durante temporal foge da Santa Casa

Trabalhador de 32 anos atingido por raio durante temporal em Campo Grande fugiu da Santa Casa, por volta das 21h dessa quarta-feira (7). Após o ocorrido, o homem foi socorrido pelos bombeiros com queimaduras na mão e pé direitos até o hospital, onde estava na ala vermelha do pronto socorro. Conforme a assessoria de imprensa […]

Gabriel Maymone Publicado em 08/10/2020, às 08h37 - Atualizado às 14h37

Trabalhador atingido por raio no Guanandizão foi socorrido pelos bombeiros. (Foto: Leonardo de França, Midiamax)
Trabalhador atingido por raio no Guanandizão foi socorrido pelos bombeiros. (Foto: Leonardo de França, Midiamax) - Trabalhador atingido por raio no Guanandizão foi socorrido pelos bombeiros. (Foto: Leonardo de França, Midiamax)

Trabalhador de 32 anos atingido por raio durante temporal em Campo Grande fugiu da Santa Casa, por volta das 21h dessa quarta-feira (7). Após o ocorrido, o homem foi socorrido pelos bombeiros com queimaduras na mão e pé direitos até o hospital, onde estava na ala vermelha do pronto socorro.

Conforme a assessoria de imprensa da Santa Casa, o paciente “não aguardou finalização dos exames e avaliação dos especialistas e evadiu-se por volta das 21h”.

A assessoria de imprensa do hospital explicou que não pode barrar o paciente, mas que ele foi avisado dos riscos. A preocupação dos médicos é da situação dos órgãos internos do homem, já que ele sofreu uma forte descarga elétrica. O correto seria ele realizar os exames e passar por uma avaliação de especialista, que indicaria a alta, internação ou até mesmo uma cirurgia.

Segundo apurado pelo Jornal Midiamax, ele estava trabalhando em reparos na rede elétrica do Ginásio Guanandizão. De acordo com um colega de trabalho, a rede estava desligada no momento em que a descarga elétrica aconteceu e o homem sofreu ferimentos na mão e pé direitos.

Ele conta que estava com o colega minutos antes dele ser atingido, e se ausentou para lavar as mãos. O eletricista segurava o fio e, apesar do local ter para-raio, ele segurava um alicate, estava no chão e “seu corpo serviu como condutor de eletricidade entre o a descarga elétrica e o solo”.

Jornal Midiamax