Cotidiano

Escolas particulares devem manter suspensão de aulas até junho, orienta Governo de MS

Secretária de Estado de Educação, Maria Cecília Amendola da Motta disse nesta sexta-feira (15) durante a transmissão do boletim do novo coronavírus que o decreto que prorrogou a suspensão das aulas presenciais até 30 de junho em Mato Grosso do Sul deve servir de orientação também para os municípios e escolas particulares. A fala aponta […]

Evelin Cáceres Publicado em 15/05/2020, às 11h31 - Atualizado às 14h37

Secretária de Educação Maria Cecília Motta, vai comunicar novidade durante live. (Divulgação)
Secretária de Educação Maria Cecília Motta, vai comunicar novidade durante live. (Divulgação) - Secretária de Educação Maria Cecília Motta, vai comunicar novidade durante live. (Divulgação)

Secretária de Estado de Educação, Maria Cecília Amendola da Motta disse nesta sexta-feira (15) durante a transmissão do boletim do novo coronavírus que o decreto que prorrogou a suspensão das aulas presenciais até 30 de junho em Mato Grosso do Sul deve servir de orientação também para os municípios e escolas particulares.

A fala aponta a tendência do Estado e município de Campo Grande a não acatarem o plano de biossegurança a ser apresentado pelas escolas particulares, que insistem no retorno às aulas presenciais e reclamam de perdas na arrecadação e possíveis demissões.

“Nós queremos que fique claro que Mato Grosso do Sul entende as dificuldades, mas que a nossa maior intenção é preservar vidas neste momento. Isso tem que ser prioridade”, destacou a secretária.

O decreto, publicado nesta sexta no Diário Oficial do Estado e assinado pelo governador Reinaldo Azambuja (PSDB), foi assinado após análise conjunta da secretaria estadual de Saúde e Educação e municipal de Educação de Campo Grande, informou o secretário Geraldo Resende.

Jornal Midiamax