Cotidiano

De aves a tamanduá, PMA capturou 4,8 animais silvestres por dia em MS

A PMA (Polícia Militar Ambiental) capturou uma média de 4,8 animais silvestres por dia na área urbana em Mato Grosso do Sul em 2019. De capivaras a serpentes, casos de animais que aparecem nas ruas ou até nas casas dos moradores têm sido cada vez mais comuns. Conforme dados da PMA, houve um aumento de […]

Mylena Rocha Publicado em 15/01/2020, às 09h59

Foto: PMA
Foto: PMA - Foto: PMA

A PMA (Polícia Militar Ambiental) capturou uma média de 4,8 animais silvestres por dia na área urbana em Mato Grosso do Sul em 2019. De capivaras a serpentes, casos de animais que aparecem nas ruas ou até nas casas dos moradores têm sido cada vez mais comuns. Conforme dados da PMA, houve um aumento de 26,7% de captura de animais silvestres.

Foram 1,7 mil animais silvestres capturados na área urbana ao longo do ano passado. Os principais capturados foram as aves, entretanto a PMA já registrou casos inusitados, como gambá dentro da máquina de lavar, serpentes dentro de motores e até tamanduá-bandeira dentro de churrasqueira.

A Polícia Ambiental explica que os animais são encaminhados ao CRAS (Centro de Reabilitação de Animais Silvestres) na Capital. Outros capturados são soltos nas redondezas, depois de laudos de médicos veterinários e biólogos constatando que são bravios e daquele habitat, da região de onde foram capturados.

Na Capital foram 810 capturas em 2019, uma média de 2,2 animais capturados por dia. Segundo a PMA, a característica de Campo Grande, que possui grandes reservas florestais, além dos parques lineares de córregos e áreas verdes municipais, favorece a fauna.  Essa convivência da fauna se a população gera alguns conflitos, como animais que entram nas casas, ruas, estabelecimentos comerciais e até casos de atropelamentos.

“Além de tudo isso, o desmatamento legal, ou ilegal, que acontece nas circunvizinhanças das cidades, diminui o habitat e alimento da fauna silvestre, que cada vez mais, precisa percorrer maiores distâncias na migração em busca de alimentos e acabam adentrando os perímetros urbanos”, explica a PMA.

Apesar de realizar o trabalho de captura de animais silvestres há quase 33 anos, a PMAS ressalta que a captura não é a prioridade do órgão, pois não se trata de crime ou infração administrativa. A Unidade Ambiental disponibiliza diariamente apenas uma viatura e uma equipe em cada uma das suas Subunidades no estado, preparada para realizar esse trabalho, pois o papel constitucional primordial da Unidade é a prevenção. Ou seja, a manutenção dos Policiais em campo para que os crimes e infrações não aconteçam.

Jornal Midiamax