Cotidiano

Contra ‘mijões e porquinhos’, folia terá banheiros em dobro em Campo Grande

O Carnaval já começa neste sábado (22) em Campo Grande e voltam as preocupações sobre a sujeira e o xixi deixado pelos foliões nas regiões do entorno da folia, como a Esplanada Ferroviária. Para amenizar o problema, a festa nesse ano deve ter o dobro de banheiros e, além de coletores de lixo, cooperativas de […]

Mylena Rocha Publicado em 19/02/2020, às 13h05

(Foto: Minamar Junior / Arquivo Midiamax)
(Foto: Minamar Junior / Arquivo Midiamax) - (Foto: Minamar Junior / Arquivo Midiamax)

O Carnaval já começa neste sábado (22) em Campo Grande e voltam as preocupações sobre a sujeira e o xixi deixado pelos foliões nas regiões do entorno da folia, como a Esplanada Ferroviária. Para amenizar o problema, a festa nesse ano deve ter o dobro de banheiros e, além de coletores de lixo, cooperativas de reciclagem também devem contribuir para a limpeza.

Contra 'mijões e porquinhos', folia terá banheiros em dobro em Campo Grande
Alguns moradores reclamam do xixi e da sujeira, mas dizem que Carnaval melhorou nos últimos anos. (Foto: Marcos Ermínio)

É comum que os moradores reclamem do comportamento dos foliões, já que há, sim, alguns ‘abusados’. Rafael de Souza, de 29 anos, é funcionário público e conta que já presenciou alguns absurdos em época de carnaval. Os problemas vão desde quem faz xixi no muro da vizinhança e tem até morador que já presenciou casais fazendo sexo na rua.

“Ano passado foi bem melhor, havia um tapume, que impedia a entrada dos foliões aqui na rua. Mas, de uma maneira ou de outra, acaba acontecendo, não tem jeito. Mesmo com banheiros ali na esquina, eles fazem xixi na rua. O único jeito é a guarda ou a polícia coibirem isso”, opina.

A Guarda Municipal deve mobilizar 80 homens e quatro viaturas só para a região da Esplanada Ferroviária. Além de fazer o patrulhamento preventivo, a ação da Guarda também deve impedir que os foliões folgados façam xixi nas ruas. “A GCM vai atuar no sentido de orientar os foliões para utilizar os banheiros químicos, sob pena de ser detido e apresentado à autoridade policial por prática de ato obsceno”.

Contra 'mijões e porquinhos', folia terá banheiros em dobro em Campo Grande
Zé Dias diz que convive em harmonia com o Carnaval na Esplanada. (Foto: Marcos Ermínio)

Já o aposentado Zé Dias, de 63 anos, não tem do que reclamar. Ele mora na região da Esplanada Ferroviária, mas como a rua é bem iluminada, os foliões não costumam fazer xixi nas portas das casas. “Quem reclama é quem mora um pouco mais distante, porque a pessoa procura urinar no local mais escondido. Eu não tenho do que reclamar, aproveito muito o Carnaval e a Prefeitura começa a limpeza logo após a festa, a rua amanhece limpa”, elogia.

A comerciante Maria Salete, de 50 anos, também mora na rua onde a festa acontece. Como o local é muito movimentado, as pessoas não costumam fazer xixi. “O pessoal que reclama é quem mora mais distante, em ruas mais escuras, aqui isso não acontece. Quanto à sujeira, ela existe, mas a equipe começa a limpeza bem cedo”, afirma.

O bloco Capivara Blasé também está empenhado em orientar os foliões sobre os excessos. O organizador do bloco, Vitor Samúdio, explica que após conversar com a Prefeitura, o Carnaval deste ano deve ter o dobro de banheiros químicos, para evitar problemas com moradores.

“Este ano vai ter o dobro de banheiros químicos. Espalhamos não só onde acontecem os blocos, como no entorno. Vamos diminuir muito este problema”, diz.

Além disso, o bloco ainda desenvolve mais ações de conscientização: uma sobre educação patrimonial e outra sobre a reciclagem. Vitor explica que a campanha de educação patrimonial orienta sobre a importância da região história de Campo Grande. “Temos que ocupar os espaços públicos, brincar, mas também significa que devemos cuidar”.

Outra ação é com relação ao lixo. Em parceria com o Capivara Blasé, cooperativas de reciclagem devem trabalhar na Esplanada Ferroviária para recolher os resíduos que podem ser reciclados, como as latas de alumínio. “É uma forma de sanar o problema do lixo e promover geração de renda”.

Jornal Midiamax