Cotidiano

Com menos viajantes, movimento no aeroporto e rodoviária de Campo Grande cai até 43%

Os efeitos da pandemia do coronavírus chegou até as tradicionais comemorações de fim de ano dos sul-mato-grossenses, que para evitar aglomerações em família, muitos decidiram passar as festas de Natal e Ano Novo em casa. O reflexo disso, é que, neste ano, o movimento de passageiros no Aeroporto Internacional de Campo Grande caiu 43% em […]

Mariane Chianezi Publicado em 23/12/2020, às 07h23 - Atualizado às 11h29

Leonardo de França, Midiamax, Arquivo
Leonardo de França, Midiamax, Arquivo - Leonardo de França, Midiamax, Arquivo

Os efeitos da pandemia do coronavírus chegou até as tradicionais comemorações de fim de ano dos sul-mato-grossenses, que para evitar aglomerações em família, muitos decidiram passar as festas de Natal e Ano Novo em casa. O reflexo disso, é que, neste ano, o movimento de passageiros no Aeroporto Internacional de Campo Grande caiu 43% em relação a 2019.

Conforme a Infraero (Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária), neste ano está previsto que 42,4 mil passageiros devem embarcar e desembarcar na Capital. No ano passado, a movimentação chegou a ser de 74,4 mil pessoas.

A empresa que administra o Aeroporto de Campo Grande também explicou que neste ano há 34% a menos de voos disponíveis do que no mesmo período do ano passado. Em 2019, as empresas aéreas disponibilizaram 539 voos, enquanto neste ano, em dezembro, são 358 voos.

A movimentação também caiu na Rodoviária de Campo Grande, onde neste ano, foram registrados menos 23% de passageiros. Conforme dados da Socicam, concessionária que administra a rodoviária, foram mais de 52 mil passageiros embarcando e desembarcando nas plataformas da Capital.

Neste ano, porém, o número de passageiros com tickets de viagens baixou para 40,5 mil passageiros viajando. De acordo com a Socicam, os destinos mais procurados pelos passageiros são Corumbá, Ponta Porã, Cuiabá, Cascavel, Brasília e São Paulo como destinos mais procurados.

Destinos sem economizar

Com destinos que da Serra Gaúcha até resorts no Nordeste, os sul-mato-grossenses já estavam se programando para as viagens de fim de ano e também para o decorrer de 2021, sem pensar em economizar após seis meses de reservas praticamente zeradas no setor.

Com menos viajantes, movimento no aeroporto e rodoviária de Campo Grande cai até 43%
Serra Gaúcha, Porto de Galinhas e Costa do Sauipe são alguns dos destinos mais procurados pelos sul-mato-grossenses para o fim de ano e início de 2021 | Foto: Reprodução

Conforme uma das maiores agências de viagens do país, a CVC, o turismo tem sido retomado aos poucos e a preferência dos brasileiros são os destinos nacionais. Antes da pandemia, pelo menos 70% dos clientes da rede viajavam dentro do Brasil e a preferência prevalece também nesse momento de retomada.

De acordo com o levantamento da empresa, os destinos mais procurados pelos clientes de Mato Grosso do Sul são: Porto de Galinhas, Resorts da Linha Verde da Bahia, como Imbassaí, Praia do Forte e Costa do Sauípe; Fortaleza e Natal. Alguns desses destinos chegam a custar R$ 10 mil com reserva e voo para um casal passar cinco dias.

Mas também há aqueles que preferem conhecer a o sul do país. A Serra Gaúcha aparece como uma das opções mais desejadas de viagens pelos sul-mato-grossenses. Em média, passar cinco dias em Gramado, por exemplo, pode custar R$ 4 mil para um casal.

A empresa explicou que a maioria dos clientes tem procurado primeiramente realizar reversas em hotéis que tenham a garantia das medidas de biossegurança contra o coronavírus. Depois, os turistas procuram consultar os valores dos bilhetes aéreos e, de acordo com o levantamento da empresa, a maioria procura por reservas para o final de ano e férias de janeiro a fevereiro.

Tarifas de embarque mais caras

A Prefeitura de Campo Grande decretou reajuste de 5,20% nas tarifas de embarque e tarifa de acostamento do Terminal Rodoviário, válido a partir de 1º de Janeiro de 2021. O documento está no Diogrande (Diário Oficial de Campo Grande) desta segunda-feira (21).

Na publicação, há tabela de valores que sofrerão acréscimo. Taxa de embarque em linha metropolitana ficará R$ 1,05; linhas intermunicipais, R$ 4,97; linhas interestaduais e linhas internacionais, R$ 6,86. Tarifa de acostamento vai para R$ 19,06. De acordo com o decreto, o reajuste é definido conforme edital de concessão do serviço de Campo Grande.

Jornal Midiamax