Cotidiano

Capifaixa: Cidade de MS cria faixa para alertar motoristas e proteger capivaras

A cidade de Três Lagoas, a 338 km da Capital, ganhou uma novidade um tanto curiosa no trânsito nesta quarta-feira (29): uma ‘faixa de pedestres’ para capivaras. Além de fofas, as ‘capifaixas’ são uma maneira educativa de alertas os motoristas sobre o risco de atropelamento dos animais na região do entorno da Lagoa Maior. A […]

Mylena Rocha Publicado em 29/01/2020, às 11h58 - Atualizado às 17h50

Capifaixas começaram a ser pintadas em Três Lagoas. (Foto: Divulgação/Hojemais)
Capifaixas começaram a ser pintadas em Três Lagoas. (Foto: Divulgação/Hojemais) - Capifaixas começaram a ser pintadas em Três Lagoas. (Foto: Divulgação/Hojemais)

A cidade de Três Lagoas, a 338 km da Capital, ganhou uma novidade um tanto curiosa no trânsito nesta quarta-feira (29): uma ‘faixa de pedestres’ para capivaras. Além de fofas, as ‘capifaixas’ são uma maneira educativa de alertas os motoristas sobre o risco de atropelamento dos animais na região do entorno da Lagoa Maior.

Capifaixa: Cidade de MS cria faixa para alertar motoristas e proteger capivaras
Foto: Divulgação/Rádio Caçula

A ideia chama a atenção principalmente das crianças, que podem ensinar pais e responsáveis sobre a travessia as capivaras. O secretário de Meio Ambiente e Agronegócio do município, Toniel Fernandes, disse em entrevista à Radio Caçula que os técnicos da pasta criaram a ‘capifaixa’ na cor amarela e com o formato de patinhas de capivara para diferenciar da faixa de pedestres.

Além do formato e da cor diferenciadas da ‘capifaixa’, há ainda placas de identificação sobre a travessia de animais silvestres com o desenho do bicho. O aviso é escrito em dois idiomas, português e inglês.

Conforme informações da Rádio Caçula, as ‘capifaixas’ foram pintadas no entorno da Lagoa Maior, onde há um índice maior de atropelamentos. Segundo o secretário, foram registrados 15 atropelamentos de capivaras no ano passado.

Os atropelamentos podem aumentar ainda mais no período de estiagem. “Com a chegada da seca, as capivaras saem em busca de alimentos em outros locais, além da Lagoa Maior. Especialmente, no período noturno. Este hábito do animal também aumenta os riscos de atropelamentos, principalmente à noite”, explicou à Rádio Caçula.

Jornal Midiamax