Cotidiano

Câmeras são instaladas no Pantanal para observar comportamento de animais após incêndios

Equipes do IHP (Instituto Homem Pantaneiro), em parceria com o Panthera Colômbia e o ex-diretor de desenvolvimento de negócios da Stanford Graduate School of Business, Jeff Cabili, iniciaram, nesta quinta-feira (10), instalação de câmeras na Serra do Amolar, em Corumbá, para observar o comportamento dos animais após os incêndios na região. Conforme o instituto, o […]

Karina Campos Publicado em 11/12/2020, às 15h36 - Atualizado às 15h49

Regiões serão monitoradas. (Foto: Divulgação IHP)
Regiões serão monitoradas. (Foto: Divulgação IHP) - Regiões serão monitoradas. (Foto: Divulgação IHP)

Equipes do IHP (Instituto Homem Pantaneiro), em parceria com o Panthera Colômbia e o ex-diretor de desenvolvimento de negócios da Stanford Graduate School of Business, Jeff Cabili, iniciaram, nesta quinta-feira (10), instalação de câmeras na Serra do Amolar, em Corumbá, para observar o comportamento dos animais após os incêndios na região.

Conforme o instituto, o objetivo é monitorar os felinos, especialmente as onças-pintadas, com câmeras fotográficas, para entender o processo de convivência no habitat natural dos animais, após passar por um longo período do bioma em chamas.

O projeto faz parte do Conexão Jaguar, que já atua com ações na região pantaneira, sob coordenação do veterinário, Diego Viana.

Cerca de 1,9 milhão de hectares do território pantaneiro de Mato Grosso do Sul foi devastado durante os incêndios registrados desde janeiro a novembro deste ano. As regiões mais afetadas ainda estão em recuperação e seguem sendo monitoradas para evitar focos de calor.

Jornal Midiamax