Cotidiano

Após tags de assédio em escolas do MS, coordenadorias criam cartilha sobre abusos sexuais

A Coordenadoria da Infância e da Juventude e a Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar de Mato Grosso do sul, divulgaram, nesta sexta-feira (28), a criação de uma cartilha que aborda questões sobre abusos sexuais. A ideia surgiu diante da onda dos movimentos com a hastag #ExposedCG no Twitter, por […]

Karina Campos Publicado em 28/08/2020, às 16h29

(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação) - (Foto: Divulgação)

A Coordenadoria da Infância e da Juventude e a Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar de Mato Grosso do sul, divulgaram, nesta sexta-feira (28), a criação de uma cartilha que aborda questões sobre abusos sexuais.

A ideia surgiu diante da onda dos movimentos com a hastag #ExposedCG no Twitter, por expor casos de assédio moral e sexual em escolas. A cartilha também remete a comemoração do Agosto Lilá, para o combate à violência doméstica.
A linguagem usada na cartilha é de fácil entendimento e explica o que o abuso sexual, cita atitudes e alerta à mulher para não deixar que tais fatos a impeçam de ser livre para ir onde quiser.

Outro ponto do informativo é orientar quem desconhecia sobre o que é emprego de violência física, ameaça para a prática de sexo, ou que ato libidinoso é estupro, assim como é crime divulgar imagem de cena de sexo, nudez ou estupro; registrar cena de nudez, sexo, masturbação, em momento privado e íntimo, sem a autorização, mesmo que o material não seja divulgado.

“Os últimos números divulgados pelo IPEA sobre o tema foram em 2014, apontando que, infelizmente, em cada 10 vítimas, apenas uma procura a polícia para denunciar. Não é mais possível conviver com dados tão alarmantes, por isso esperamos que essa cartilha leve à população informações importantes, auxiliando no combate ao abuso de crianças e adolescentes”, disse a desembargadora Elizabete Anache.

Nos próximos dias, a cartilha será disponibilizada no site do Tribunal de Justiça, na página da Coordenadoria da Mulher.

Jornal Midiamax