Cotidiano

Após reunião, comissão ainda avalia aprovação em massa de alunos da rede municipal

A Comissão Municipal de Avaliação, composta pela Semed (Secretaria Municipal de Educação), ACP (Sindicato Campo-grandense dos Profissionais da Educação), Defensoria Pública, pais e diretores, realizaram uma nova reunião, nesta segunda-feira (19), para avaliar a possibilidade de “aprovação em massa” dos alunos da Reme (Rede Municipal de Educação). De acordo com a prefeitura de Ca...

Karina Campos Publicado em 20/10/2020, às 14h45 - Atualizado em 21/10/2020, às 08h59

 (Foto: Arquivo)
(Foto: Arquivo) - (Foto: Arquivo)

A Comissão Municipal de Avaliação, composta pela Semed (Secretaria Municipal de Educação), ACP (Sindicato Campo-grandense dos Profissionais da Educação), Defensoria Pública, pais e diretores, realizaram uma nova reunião, nesta segunda-feira (19), para avaliar a possibilidade de “aprovação em massa” dos alunos da Reme (Rede Municipal de Educação).

De acordo com a prefeitura de Campo Grande, a proposta de unificação dos anos letivos de 2020 e 2021 ainda está sendo analisada pela comissão e, por enquanto, não tem data para um resultado determinante.

As aulas municipais serão encerradas à distância neste ano e só devem retornar no próximo ano a modalidade presencial. No início do mês, a secretária da pasta, Elza Fernandes, informou que as medidas tiveram permissão do MEC (Ministério da Educação), deixando município e Estado determinar as decisões do ensino infantil ao médio.

A comissão está realizando planejamentos e pesquisas levando em consideração as 202 escolas municipais e 109 mil alunos matriculados.

Ano letivo à distância

Por conta da pandemia de coronavírus, tanto o município como o Estado, determinaram o encerramento do ano letivo à distância, com possível retorno apenas em 2021. Restando apenas quase um mês para o fim do ano letivo, os Poderes ressaltaram que embora a baixa taxa de contaminação, a decisão foi de encerrar os estudos de forma segura aos estudantes.

Neste ano, as aulas presenciais foram substituídas por aulas pela internet e pela televisão. Os alunos que não tinham acesso à rede receberam materiais impressos entregues pelas escolas, dando continuidade aos estudos em casa.  

Jornal Midiamax