Cotidiano

Após 10 anos, UEMS pode voltar com vestibulares já em 2021

Após dez anos sem vestibulares, a UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul) poderá retornar com o processo seletivo no próximo ano. Uma reunião do CEPE (Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão) da universidade ocorre nesta sexta-feira (2), para votar sobre o retorno do vestibular como forma de ingresso de alunos nos cursos de […]

Gabriel Neves Publicado em 02/10/2020, às 11h26

Prédio da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (Foto: Divulgação / UEMS)
Prédio da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (Foto: Divulgação / UEMS) - Prédio da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (Foto: Divulgação / UEMS)

Após dez anos sem vestibulares, a UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul) poderá retornar com o processo seletivo no próximo ano. Uma reunião do CEPE (Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão) da universidade ocorre nesta sexta-feira (2), para votar sobre o retorno do vestibular como forma de ingresso de alunos nos cursos de graduação da universidade.

A reunião iniciou às 8h de hoje, via webconferência e pode ser acompanhada clicando neste link. Caso a pauta seja aprovada, a universidade terá três formas de ingresso para os acadêmicos: Processo Seletivo Vestibular; SiSU (Sistema de Seleção Unificada); e Processo Seletivo Permanente.

O número de vagas por unidade universitária, curso, turno, regime de cotas e formas de ingresso, a ser oferecido, a cada processo seletivo, será proposto pela PROE (Pró-reitoria de Ensino) e aprovado pelo CEPE.

Com a aprovação, o vestibular retornará já em 2021, inicialmente com 50% das vagas ofertadas via vestibular e 50% ofertadas por meio de notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), conforme explica a Pró-reitora de Ensino, Maria José Cordeiro.

“O processo seletivo da UEMS deve ocorrer no mês de fevereiro de 2021 e o fato de retornamos após dez anos a oferta de vestibular pode contribuir para o maior número de acesso às nossas vagas. Em breve teremos os nossos editais publicados com números de vagas, contendo inclusive as ações afirmativas para cada uma das formas de acesso aos nossos 60 cursos de graduação”, disse.

“A UEMS apresenta essa característica de interiorização da educação superior e entendemos que o vestibular dessa forma poderá ser mais uma ferramenta de acesso a universidade pública aqui no MS, o que na nossa avaliação beneficiará a sociedade sul-mato-grossense”, destaca a vice-reitora, Celi Correa Neres.

A universidade disponibilizará em seus processos seletivos aos cursos de graduação 20% das vagas para candidatos ao regime de cotas para Negros (pretos e pardos), 10% para candidatos Indígenas e 10% para candidatos residentes em Mato Grosso do Sul, de acordo com normas e leis vigentes que tratam das políticas afirmativas.

Jornal Midiamax