Cotidiano

Aos poucos, verde e ‘vida’ no Pantanal retornam com chegada de chuvas

As imagens de coordenadas de satélite de Mato Grosso do Sul, desta quinta-feira (29), mostram que aos poucos o verde e pontos de alagamento começam a retornar no Pantanal, que durante meses foi castigado com as queimadas. Nas fotos comparativas, se percebe que as, até então, cortinas de fumaça dão espaço ao ar puro, que […]

Karina Campos Publicado em 30/10/2020, às 17h33 - Atualizado às 17h41

(Foto: Divulgação, Ibama)
(Foto: Divulgação, Ibama) - (Foto: Divulgação, Ibama)

As imagens de coordenadas de satélite de Mato Grosso do Sul, desta quinta-feira (29), mostram que aos poucos o verde e pontos de alagamento começam a retornar no Pantanal, que durante meses foi castigado com as queimadas.

Nas fotos comparativas, se percebe que as, até então, cortinas de fumaça dão espaço ao ar puro, que há meses os ribeirinhos, animais e combatentes não respiravam. Em alguns pontos, como na Serra do Amolar, em Corumbá, estradas já voltam a ficar alagadas.

Segundo analista ambiental do Ibama Alexandre do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), o número de focos reduziram consideravelmente. Nenhuma queimada foi registrada no Estado, nesta sexta-feira (30). Embora a dispensa dos militares do Corpo de Bombeiros das bases, as equipes ainda monitoram as regiões.

Com o fim das ações, Ongs e órgãos ambientalista farão balanço do quanto se perdeu na fauna e flora do bioma pantaneiro. Os animais resgatados durante os incêndios, estão em tratamento no Cras (Centro de Reabilitação de Animais Silvestres), em Campo Grande, e devem retornar ao habitat natural.

Ao todo, foram mais de 1,9 milhão de hectares destruídos pelas chamas desde janeiro a outubro, de acordo com o monitoramento do Lasa (Laboratório de Aplicações de Satélites Ambientais) do Departamento de Meteorologia da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro).

Confira as imagens:

Jornal Midiamax