Cotidiano

Alunos do Ensino Fundamental e Médio podem ser repórteres no Integra UFMS

Alunos e professores do Ensino Fundamental e Médio de Campo Grande, de escolas públicas e particulares, podem participar da cobertura jornalística educomunicativa do Integra UFMS, realizado de 5 a 9 de outubro. Os alunos atuarão na categoria Repórter Júnior e realizarão a apuração, redação, edição e publicação de textos e posts sobre as atividades do […]

Diego Alves Publicado em 05/09/2020, às 21h40

Reprodução
Reprodução - Reprodução

Alunos e professores do Ensino Fundamental e Médio de Campo Grande, de escolas públicas e particulares, podem participar da cobertura jornalística educomunicativa do Integra UFMS, realizado de 5 a 9 de outubro.

Os alunos atuarão na categoria Repórter Júnior e realizarão a apuração, redação, edição e publicação de textos e posts sobre as atividades do evento. Já os professores atuarão como tutores dos estudantes nessas tarefas. São 30 vagas para alunos e 10 para professores.

Atenção: por causa da Covid-19, todas as atividades do Integra UFMS serão a distância, com o uso de plataformas digitais. Logo, é requisito que os candidatos possuam acesso à rede de internet e algum aparelho que permita sua participação em reuniões, oficinas, treinamentos e coberturas de forma on-line, como smartphone, computador ou tablet.

As inscrições vão até 14 de setembro e serão realizadas pelo site integra.ufms.br, por meio do preenchimento do formulário de inscrição (disponível no site) e envio da Manifestação de Ciência da Coordenação Pedagógica ou Direção da escola e da Declaração de Concordância dos Pais ou Responsáveis (disponíveis no edital).

Repórter Júnior no estúdio da TV UFMS, em 2019

O aluno que se candidatar também deverá elaborar um texto de até 10 linhas respondendo à seguinte questão: “Por que quero participar da cobertura educomunicativa durante o Integra 2020?”. Caso deseje, o aluno também poderá enviar um vídeo criativo de apresentação pessoal, com no máximo um minuto de duração, que pode ser filmado, editado e pensado de forma livre. O vídeo deve ser postado no YouTube e o link anexado ao final do documento do texto de 10 linhas.

Os selecionados, tanto para Repórter Júnior quanto para tutor, deverão obrigatoriamente participar dos treinamentos ministrados pela Empresa Júnior (EJ) Brava. “As oficinas preparatórias serão realizadas via Google Meet, aos sábados, e serão divididas entre os núcleos de trabalho, então: vídeo e telejornalismo, mídias sociais, produção de texto e foto e radiojornalismo, além de uma oficina em que eles vão entender melhor o que é a educomunicação e como ela se relaciona com a cobertura do evento. Também vamos abordar sobre o evento em si, como vai funcionar o Integra, etc. e a última vai ser sobre a preparação das pautas e a escala de trabalho”, explica a presidente da Brava, Rúbia Pedra.

Prof. Rose dando boas-vindas à turma de alunos e professores em edição anterior do projeto
Como nem os treinamentos e nem o evento serão presenciais, foi necessário readaptar todo o processo. “A experiência do virtual é muito desafiadora, mas também muito enriquecedora. Estamos adaptando a capacitação, que será toda a distância, e a cobertura do Integra UFMS também. Vamos usar de muita criatividade para manter a produção e o envolvimento dos alunos e professores das escolas públicas e particulares que se inscreverem. Os repórteres juniores terão as pautas e as atividades de cobertura jornalística e os tutores vão acompanhá-los nesse processo”, afirma a professora Rose Pinheiro, diretora da Agência de Comunicação Social e Científica da UFMS.

Esta é a terceira edição do projeto, idealizado por Rose. Para ela, a experiência até o momento tem sido muito positiva e gratificante. “Esse projeto faz parte da minha pesquisa na UFMS, mas na verdade tenho me dedicado à educomunicação desde a minha especialização, na ECA/USP. Então, toda a minha trajetória acadêmica esteve ligada a essa área. O projeto Repórter Júnior é muito significativo, porque incentiva o protagonismo do aluno, tanto do ensino médio e fundamental quanto da graduação e da pós-graduação. É uma experiência envolvente e construída a muitas mãos. Acredito muito nessa dinâmica, do aluno compartilhando conhecimento com seus colegas, aprendendo na prática sobre a produção jornalística educomunicativa, ainda mais numa sociedade com tanta desinformação e fake news”, ressalta.

Treinamento sobre texto jornalístico com membros da EJ Brava
A EJ Brava também está envolvida desde o início, em 2018, treinando os participantes e os mentoreando durante o processo. “O Repórter Júnior é um projeto muito querido pela Brava, nós gostamos muito de trabalhar com os participantes e ensinar o que a gente sabe, que vai muito de encontro com o que a Brava preza na EJ, isso de compartilhar conhecimento com o próximo”, conta Rúbia.

Experiência

Participar como Repórter Júnior pode ser muito mais do que uma atividade extracurricular. Para Gabriel Gill Ramirez, por exemplo, foi o que o ajudou a definir sua futura profissão. “Eu aprendi sobre lide jornalístico, que eu não fazia ideia do que era, também aprendi a fazer a montagem de uma lauda e a gravação de uma sonora. Com o projeto Repórter Júnior, eu tive a honra de escutar uma matéria minha sendo veiculada na Rádio Educativa UFMS. Foi nesse projeto também que eu decidi qual curso eu queria seguir na minha graduação e hoje eu estou no segundo semestre do curso de Jornalismo na UFMS”. (Informações da assessoria)

Jornal Midiamax