Cotidiano

Justiça vai usar intimação por WhatsApp em Mato Grosso do Sul

A 2ª Vara de Sidrolândia, através de aprovação via plenário CNJ, implantou a intimação das partes em ação judicial via aplicativo de mensagem instantânea, o WhatsApp. De acordo com as informações essa seria uma forma de agilizar a prestação jurisdicional nas ações. Segundo o TJ-MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), a primeira […]

Ana Paula Chuva Publicado em 04/04/2019, às 16h11 - Atualizado em 05/04/2019, às 10h21

Foto: Divulgação TJMS
Foto: Divulgação TJMS - Foto: Divulgação TJMS

A 2ª Vara de Sidrolândia, através de aprovação via plenário CNJ, implantou a intimação das partes em ação judicial via aplicativo de mensagem instantânea, o WhatsApp. De acordo com as informações essa seria uma forma de agilizar a prestação jurisdicional nas ações.

Segundo o TJ-MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), a primeira pessoa intimada através da nova modalidade, compareceu ao cartório no dia seguinte, dando andamento ao processo, por isso acreditam que a ideia tenha dado certo.

Vale ressaltar, que o período ainda é considerado como experimental. Os servidores estão usando a versão Business do aplicativo e uma conta de e-mail foi criada para facilitar o cadastro de quem foi e de quem será intimado.

Ainda conforme o TJ, o juiz Fernando Moreira Freitas da Silva, titular da Vara, enviou um texto explicando para advogados e defensores da comarca, a utilização da nova ferramenta de intimação e solicitando que indicassem o número do contato de seus clientes, permitindo que o cartório os procure, por exemplo, em casos de perícia, audiência redesignada, etc.

“A iniciativa foi aceita e aplaudida. Embora o procedimento possa sofrer algumas mudanças, o principal intuito é favorecer a celeridade e transparência na execução dos processos, notadamente na obtenção de número de documentos, conta corrente para expedição de alvará, intimações para perícias, etc. Esperamos estar iniciando uma nova era na prestação jurisdicional cada vez mais célere”, explicou o juiz.

Jornal Midiamax