Cotidiano

Terceirizados da Energisa entram em greve por reajuste salarial

Os 127 trabalhadores da Engelmig, terceirizada da Energisa, entraram em greve nesta terça-feira (17) por tempo indeterminado em Campo Grande e Corumbá. A paralização acontece, pois, a categoria busca reajuste salarial e propostas da empresa não tem agradado. Na última proposta, a Engelmig ofereceu 3% de aumento no salário, 5% no vale-alimentação (R$ 22,57 por […]

Mariane Chianezi Publicado em 17/12/2019, às 13h30 - Atualizado às 16h54

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação - Foto: Divulgação

Os 127 trabalhadores da Engelmig, terceirizada da Energisa, entraram em greve nesta terça-feira (17) por tempo indeterminado em Campo Grande e Corumbá. A paralização acontece, pois, a categoria busca reajuste salarial e propostas da empresa não tem agradado.

Na última proposta, a Engelmig ofereceu 3% de aumento no salário, 5% no vale-alimentação (R$ 22,57 por dia) e 7% no vale-extra de natal (R$ 133,75). No entanto, a categoria reivindica reajuste salarial de 7%, além do aumento no vale-alimentação de R$ 21,50 para R$ 25,00 por dia; vale extra de natal de R$ 140,00, entre outros pontos.

Segundo o presidente do sindicato da categoria (Sinergia-MS), Elvio Vargas, os trabalhadores estão descontentes com essa proposta de reajuste salarial, por isso, decidiram pela paralisação das atividades.

“O valor do salário e do tíquete são muito baixos diante da relevância e do perigo da atividade que esses trabalhadores exercem. É um serviço importante, essencial para toda a população, para o funcionamento de hospitais, por exemplo, mas não é reconhecido”, explicou o presidente.

Os trabalhadores da Engelmig vão ficar parados até que a empresa apresente uma nova contraproposta para o Acordo Coletivo de Trabalho 2019/2020. A data-base da categoria é 1º de novembro.

A reportagem entrou em contato com a Energisa, que garantiu que a paralisação dos terceirizados não devem afetar os atendimento aos moradores. “A Energisa afirma que a paralisação não compromete o atendimento realizado aos clientes pela concessionária, pois possui outras prestadoras de serviço. A Energisa explica ainda que por se tratar de uma empresa terceirizada, as negociações acontecem de forma independente”, disse concessionária em nota.

*matéria atualizada às 14h para acréscimo de informação

Jornal Midiamax