Cotidiano

Obras continuam em lago e Imasul não sabe se peixes voltarão ao Parque das Nações

Ainda em obras, o lago do Parque das Nações, em Campo Grande, ainda não tem prazo para ser totalmente cheio e entregue para a população. Enquanto reformas em decks são feitas pelo Governo do Estado, ainda não se sabe se os peixes voltarão para o espaço. No final de outubro, o Governo do Estado divulgou […]

Ana Palma Publicado em 26/11/2019, às 15h56

Capivara no meio do lago. Cena comum antes da retirada do sedimento, volta a fazer parte da rotina do lago. (Marcos Ermínio, Midiamax)
Capivara no meio do lago. Cena comum antes da retirada do sedimento, volta a fazer parte da rotina do lago. (Marcos Ermínio, Midiamax) - Capivara no meio do lago. Cena comum antes da retirada do sedimento, volta a fazer parte da rotina do lago. (Marcos Ermínio, Midiamax)

Ainda em obras, o lago do Parque das Nações, em Campo Grande, ainda não tem prazo para ser totalmente cheio e entregue para a população. Enquanto reformas em decks são feitas pelo Governo do Estado, ainda não se sabe se os peixes voltarão para o espaço.

No final de outubro, o Governo do Estado divulgou que a reforma dos decks devem ser concluídas em 40 dias. Mesmo diante das reformas que trazem melhorias, o esvaziamento do lago entristece muita gente que passeia pelo ponto turístico.

O lago, um dos principais cartões postais da Capital, voltou a esvaziar e a terra toma conta do local. Questionados sobre a reforma dos decks, à reportagem, a assessoria do Imasul informou que os decks não são problemas diante o esvaziamento.

De acordo com o Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul), não há informações precisas se o espaço voltará a ter peixes. Em junho deste ano, mais de 7 mil foram realocados devido ao desassoreamento.

O Jornal Midiamax pediu para a assessoria de imprensa da Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura) detalhes sobre data de conclusão da obra nos decks e também sobre a volta dos peixes no lago, mas ainda não houve retorno até a publicação desta reportagem.

Jornal Midiamax