De um lado da rua muito movimento, do outro nem tanto. Com a inauguração da rua 14 de julho e a montagem da estrutura para os shows e apresentações desta noite, os comércios que ficam na 14, entre a rua 7 de setembro e Afonso Pena tiveram fluxo de visitantes bem baixo. Mesmo com preços baixos diante da as lojas locais de tiveram vendas bem menores do que o comércio nacional.

Para Raphael Alexandre, gerente da loja de sapatos Passaletti, mesmo com promoção nos produtos, a população aproveita a Black Friday para comprar eletrodomésticos e móveis. “A loja não ta cheia porque o pessoal procura produtos mais caros que tem grande redução no preço, mas a gente

Mesmo com preços baixos, Black Friday decepciona comerciantes locais
Raphael conta que o fluxo para venda de sapatos na black friday não atingiu tanto as expectativas (Foto: Marcos Ermínio, Jornal Midiamax)

que vende calçado entra numa fatia desse bolo de vendas e atrai alguns clientes”, explica.

Alex Zhu é proprietário de uma loja de artigos variados que fica na 14 de julho. Ele explica que o movimento está fraco, mas tem bastante promoção. “Baixamos os preços das mochilas, garrafas, fones de ouvido e ficaremos aberto até as 18h quem sabe até lá o fluxo aumente”, conta.

Em visita ao centro da Capital, o (PSD) disse à reportagem que essa queda nos preços no final do mês não trás tanta vantagem ao Brasil, por ser um modelo americano. “Essa promoção seria mais eficiente se fosse no final da primeira semana do mês porque final do mês as pessoas estão sem dinheiro, tem que polpar com antecedência e a gente sabe das dificuldades que as pessoas têm, isso impacta as famílias e o comércio das cidades, podemos regionalizar a Black Friday”, afirma o chefe do executivo.

Muitas lojas do centro ficarão abertas até as 18 horas, outras estenderão os horários até as 20 horas. A partir das 18 horas acontece a inauguração oficial da rua 14 de julho com show nostálgico do Balão Mágico.