Cotidiano

Família pede ajuda para arrumar barraco após chuva molhar berço de Júlia

Com alta para poder passar o período do final de ano com a família, a pequena Júlia Karoline foi atingida pela água da chuva enquanto se alimentava no berço nesta segunda-feira (9), em Campo Grande. O Jornal Midiamax já contou a história de Júlia, que viveu no Hospital Cândido Mariano por 4 meses por causa […]

Mariane Chianezi Publicado em 09/12/2019, às 15h49 - Atualizado às 18h45

Foto: Reprodução/ WhatApp
Foto: Reprodução/ WhatApp - Foto: Reprodução/ WhatApp

Com alta para poder passar o período do final de ano com a família, a pequena Júlia Karoline foi atingida pela água da chuva enquanto se alimentava no berço nesta segunda-feira (9), em Campo Grande. O Jornal Midiamax já contou a história de Júlia, que viveu no Hospital Cândido Mariano por 4 meses por causa de problemas de saúde.

A avó de Júlia, Cristiana dos Santos, disse que a neta estava no berço se alimentando por sonda quando a chuva começou na madrugada. Com a intensidade, logo as goteiras começaram a aparecer no barraco onde moram, na ocupação da Homex, no Jardim Centro Oeste.

“A gente fez um puxadinho no barraco para poder receber ela. Na hora da chuva minha filha estava na cama e ela no berço. Quando ela viu, começou a pingar goteira na neném e ela pegou a Júlia para ir para a cama. Mas aí também começou a goteirar na cama”, disse Cristiana. A família precisou se refugiar em um canto na cozinha para fugir da chuva.

Quando promoveram a galinhada beneficente, a família de Júlia conseguiu vender cerca de mil marmitas para angariar dinheiro para comprar medicação, fraldas e leite. Agora, o pedido é destinado para o conserto da moradia, como telha, parafusos e madeira.

Quem puder contribuir com a família e ajudar Júlia a permanecer com os parentes no final de ano, pode entrar em contato com Cristiana no 99341-1993 ou pode ajudar através de vaquinha online, clicando aqui.

A suspeita

Os familiares começaram a suspeitar que a bebê tenha um doença chamada síndrome DiGeorge, que é causada por um distúrbio cromossômico, afetando o desenvolvimento de vários sistemas do corpo. Essa síndrome pode causar problemas cardíacos, mau funcionamento do sistema imunológico, fenda palatina – uma abertura na parte superior do céu boca que resulta em uma abertura anormal para dentro do nariz – e diminuição dos níveis de cálcio no sangue.

A solução foi procurar um especialista em genética de São Paulo, que indicou o exame SNP Array para comprovação da doença. Os procedimentos deste exame custam R$ 10 mil, valor que a família de Júlia não tem como pagar.

Jornal Midiamax