Cotidiano

Falta de repasses da Prefeitura pode gerar paralisação de coleta, diz Solurb

Existe a possibilidade dos trabalhadores da Solurb receberem o salário e benefícios com atraso, se a Prefeitura de Campo Grande não efetuar os repasses previstos em contrato. A empresa sinalizou não ter mais verba em caixa, nesta segunda-feira (3), ao sindicato que representa a categoria, que costuma paralisar os trabalhos com o mínimo de atraso. […]

Kamila Alcântara Publicado em 03/06/2019, às 13h18 - Atualizado às 17h07

Foto: Arquivo Midiamax
Foto: Arquivo Midiamax - Foto: Arquivo Midiamax

Existe a possibilidade dos trabalhadores da Solurb receberem o salário e benefícios com atraso, se a Prefeitura de Campo Grande não efetuar os repasses previstos em contrato. A empresa sinalizou não ter mais verba em caixa, nesta segunda-feira (3), ao sindicato que representa a categoria, que costuma paralisar os trabalhos com o mínimo de atraso.

Na última sexta-feira (31), no fim do expediente, os funcionários foram chamados para uma reunião, onde foram informados que não receberiam os R$ 470 em ticket alimentação no dia 1º e que o pagamento das férias, de quem sairia nesta segunda, também não aconteceria.

Segundo informou Ton Jean Ramalho, vice-presidente do Steac (Sindicato dos Trabalhadores nas Empresas de Asseio e Conservação), a Solub está colaborando com as negociações, mas que não tem como fazer o pagamento enquanto a Prefeitura não realizar os repasses financeiros fixados em contrato.

“A dívida da Prefeitura com a empresa está em mais de R$ 23 milhões. É normal que o tomador de contrato demore até 90 dias para realizar os repasses, mas já estourou esse tempo e a empresa já usou tudo que tinha em caixa para pagar os 1.200 funcionários até o momento”, explica Ton Jean.

Conhecendo a categoria, o vice-presidente diz que qualquer demora pode levar a total paralisação dos serviços. “Os trabalhadores são muito unidos e houve situações de atrasos, menos significativos, que eles já paralisaram. Com o comunicado de sexta, já sentimos dificuldades com a coleta de lixo no sábado. Mas estamos negociando para estar sempre dentro da lei”, relata.

Agora, a empresa deu o prazo de realizar o depósito do ticket até o fim do 5º dia útil, que cai na próxima sexta-feira (7), juntamente com o salário. Se isso não acontecer, assembleias serão realizadas nos polos da empresa para decidirem qual será a ação em protesto.

Entramos em contato com a assessoria de imprensa da Solurb e empresa confirmou os atrasos, afirmando que atrasos de pagamento aos funcionários é devido a falta de repasse da prefeitura. Além disso, confirmou que serviços prestados pela Solurb poderão ser suspensos na Capital. Confira a nota:

O pagamento do ticket-alimentação aos colaboradores da concessionária está em atraso.Essa situação é decorrente do fato de a prefeitura não ter feito o pagamento dos valores contratualizados pela prestação de serviços, que hoje somam R$ 24 milhões. Desse total, R$ 15 milhões estão em atraso e R$ 9 milhões já estão computados como créditos a receber, posto que entramos em novo mês. Por conta disso, o pagamento do ticket-alimentação, no valor de R$ 1,1 milhão, está inviabilizado, por absoluta falta de recursos financeiros. A Prefeitura Municipal se comprometeu a efetuar na data de hoje, 3 de junho, pagamento no valor de R$ 3 milhões, o que até o momento não ocorreu.O atraso no pagamento pelos serviços prestados que giravam na média de R$ 8 milhões, saltou para média de R$ 15 milhões mensais, o que zerou o capital de giro da empresa, levando-a à inadimplência com seus fornecedores, o que poderá em curto prazo comprometer a prestação dos serviços à população“, diz nota oficial.

A reportagem também entrou em contato com a assessoria de imprensa da Prefeitura Municipal, mas até o fechamento desta matéria não havia se posicionado.

*Colaborou: Mariane Chianezi

Jornal Midiamax