Cotidiano

Escola de barbeiros faz cortes de cabelo de graça para atender moradores de rua

Com intuito de levar mais dignidade a moradores de rua do Centro de Campo Grande, a escola Designer Barber Academy atende, toda quinta-feira, cerca de 40 pessoas, em sua maioria moradores de rua, para corte de cabelo e barba. A ação social é realizada no coreto da Praça Ary Coelho. De acordo com Áttila Carmona, […]

Daiany Albuquerque Publicado em 06/06/2019, às 13h01

Estudantes em treinamento são quem corta cabelo da população (Foto: Minamar Júnior/Midiamax)
Estudantes em treinamento são quem corta cabelo da população (Foto: Minamar Júnior/Midiamax) - Estudantes em treinamento são quem corta cabelo da população (Foto: Minamar Júnior/Midiamax)

Com intuito de levar mais dignidade a moradores de rua do Centro de Campo Grande, a escola Designer Barber Academy atende, toda quinta-feira, cerca de 40 pessoas, em sua maioria moradores de rua, para corte de cabelo e barba. A ação social é realizada no coreto da Praça Ary Coelho.

De acordo com Áttila Carmona, de 30 anos, um dos professores da instituição, a ideia surgir há quase 3 anos, quando a instituição sentiu necessidade de ajudar mais as pessoas mais humildes. “Sempre fizemos ações sociais, mas eram coisas esporádicas, daí pensamos em fazer algo fixo, que pudesse tanto ajudar as pessoas mais humildes, quanto dar experiência para os nossos alunos”.

O professor conta que daí veio a ideia de uma parceria com a Prefeitura de Campo Grande, que cedeu o coreto da Praça para que a escola montasse sua estrutura e realizasse a ação.

Os atendimentos ocorrem das 9h30 às 12h e à tarde das 14h às 16h30. São sempre seis alunos que atendem quem aparece pelo local. Segundo Carmona, em sua maioria os atendidos são moradores de rua, ou pessoas muito humildes. “Raramente vem gente aqui que estava passando pela praça e viu o movimento”.

“Nossa ideia era essa mesmo, ajudar a população, principalmente as pessoas que dormem na rua. Sabemos da necessidade que essas pessoas passam”, completou o professor.

Um morador de rua de 32 anos, que foi um dos atendidos pela ação nesta quinta-feira (6) contou que sempre que precisa recorre aos profissionais. “Conheço todos eles, gosto demais, venho direto e fica muito legal”.

Jornal Midiamax