Cotidiano

Em 4 meses, 3 morcegos são encontrados com raiva em Campo Grande

De janeiro a abril foram registrados 3 casos de morcegos com raiva em três bairros de Campo Grande. O caso mais recente, no bairro Vilas Boas, mobilizou uma vistoria em 996 imóveis e a vacinação de 233 animais. Segundo a prefeitura, não há motivos para pânico, mas a população deve ficara atenta aos cuidados necessários […]

Ana Paula Chuva Publicado em 30/04/2019, às 17h10 - Atualizado em 01/05/2019, às 10h04

Foto: Ilustrativa | Adapec | Divulgação
Foto: Ilustrativa | Adapec | Divulgação - Foto: Ilustrativa | Adapec | Divulgação

De janeiro a abril foram registrados 3 casos de morcegos com raiva em três bairros de Campo Grande. O caso mais recente, no bairro Vilas Boas, mobilizou uma vistoria em 996 imóveis e a vacinação de 233 animais.

Segundo a prefeitura, não há motivos para pânico, mas a população deve ficara atenta aos cuidados necessários quando encontrar um morcego.

Caso animal seja encontrado em uma residência ou quintal, ele deve ser isolado com um pano, balde ou caixa e o cidadão deve ligar para o CCZ (Centro de Controle de Zoonoses) no 3313-5000 das 7h às 21h.

Se for encontrado fora do horário, o morador deve deixa-lo isolado até conseguir a ligação no primeiro horário da manhã seguinte, bem como durante feriados e fins de semana.

Vale lembrar que os animais de estimação não devem entrar em contato com o morcego e precisam estar com a vacina antirrábica em dia.

Se alguém entrar em contato direto com morcego deve procurar, imediatamente, uma unidade de atendimento à urgência e emergência (UPA/CRS) mais próxima.

A prefeitura ressalta que não há nenhum caso confirmado ou em investigação de raiva em humanos ou animais domésticos. A vacinação contra a raiva em cães e gatos é a única forma de proteção contra a doença.

É importante dizer que a doença é incurável nos animais e fatal em 100% dos casos. E, por ser uma zoonose também pode afetar os seres humanos. A raiva é letal e o vírus pode ser transmitido para os seres humanos a partir da mordida, lambidas ou machucados causados por mamíferos contaminados.

Mas o contato com a pele do animal não oferece riscos. O último caso de raiva humana no município foi registrado em 1968. Já em cães e gatos, o último surto ocorreu 1988. Após 23 anos, ocorreu um caso isolado em 2011 de raiva canina, cujo cão adquirira a doença por meio do contato com um morcego contaminado com o vírus.

No ano de 2018 foram registrados 7 casos positivos de raiva em morcegos.

Interior

No dia 4 de abril, a Iagro (Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal) emitiu alerta para produtores rurais após confirmação de casos de raiva em quatro municípios da região sul de Mato Grosso do Sul. A doença, que é contagiosa e pode ser letal, foi identificada em morcegos, nas cidades de Amambai, Tacuru, Sete Quedas e Paranhos, nas proximidades dos rios Iguatemi, Ipuitã e Fogui.

Jornal Midiamax