Cotidiano

Disputas em Brasília impedem reunião com ministro sobre obras na Bandeirantes

O prefeito Marquinhos Trad (PSD) deveria se reunir em Brasília com o ministro do Desenvolvimento, Gustavo Canuto, para discutir a possibilidade de modificar o projeto do corredor da Bandeirantes nesta semana. Devido às disputas políticas sobre a Reforma da Previdência e atritos entre caciques do Planalto, a reunião foi adiada e não há previsão para […]

Mylena Rocha Publicado em 24/04/2019, às 11h49 - Atualizado às 15h43

Procuradores do município emitiram parecer de que não há como alterar projeto, aprovado em 2013 com recursos para mobilidade urbana. Foto. Marcos Ermínio.
Procuradores do município emitiram parecer de que não há como alterar projeto, aprovado em 2013 com recursos para mobilidade urbana. Foto. Marcos Ermínio. - Procuradores do município emitiram parecer de que não há como alterar projeto, aprovado em 2013 com recursos para mobilidade urbana. Foto. Marcos Ermínio.

O prefeito Marquinhos Trad (PSD) deveria se reunir em Brasília com o ministro do Desenvolvimento, Gustavo Canuto, para discutir a possibilidade de modificar o projeto do corredor da Bandeirantes nesta semana. Devido às disputas políticas sobre a Reforma da Previdência e atritos entre caciques do Planalto, a reunião foi adiada e não há previsão para diálogo sobre o assunto.

A modificação do projeto é uma reivindicação dos comerciantes da avenida, que pedem a retirada da construção do corredor exclusivo de ônibus e as sete estações de pré-embarque. “Foi adiado, o ministro não nos recebeu porque tinha a reforma da Previdência, que está em prioridade. Só vai dar continuidade a qualquer outro tipo de diálogo depois que se votar a reforma da Previdência”, disse o prefeito nesta quarta-feira (24).

Apesar da reivindicação dos comerciantes, o prefeito acredita que a alteração do projeto é uma possibilidade remota. Em entrevista ao Jornal Midiamax no sábado (20), Marquinhos Trad adiantou que os procuradores jurídicos do município já emitiram parecer de que não há como fazer a mudança.

Marquinhos lembrou que o projeto foi aprovado fora de sua gestão, em 2013. Na época, o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) 2 destinou recurso a projetos de mobilidade urbana pelo Programa Pró-Transportes. Segundo o prefeito, os valores foram disponibilizados justamente para corredores de ônibus em locais de muito tráfego, como a Bandeirantes.

O prefeito de Campo Grande comentou também sobre a disputa de espaço entre o vice-presidente Hamilton Mourão e o filho do presidente, Carlos Bolsonaro.

“Uma briga por vaidade, com tantos problemas que estamos passando. A imprensa só fala da briga do Mourão com o Carlos. Não se fala da reforma da Previdência. Vai ser extremamente maléfico e nocivo. Vai se dividir o local onde se conduz o seu destino e o meu destino. Tem pessoas indicadas pelo presidente, tem pessoas indicadas pelo  vice-presidente… Você é do Mourão então não atende, você é do Carlos Bolsonaro, então [para] esse eu tenho hora”, criticou.

Disputas em Brasília impedem reunião com ministro sobre obras na Bandeirantes
Prefeito Marquinhos Trad em evento no Sebrae. (Foto: Marcos Ermínio)
Jornal Midiamax