Cotidiano

Cirurgia de bebê é adiada por falta de sangue no Hemosul

A cirurgia do pequeno Gustavo Henrique Debrail, de 5 meses, teve que ser adiada devido à falta de sangue no estoque do Hemosul, em Campo Grande. O bebê tem síndrome de down e má formação no coração. Conforme a mãe, Cristiane Gomes de Assis, de 39 anos, Gustavo precisa refazer três válvulas cardíacas. “Além de […]

Cleber Rabelo Publicado em 17/09/2019, às 17h25 - Atualizado em 18/09/2019, às 10h05

Foto: Arquivo Pessoal
Foto: Arquivo Pessoal - Foto: Arquivo Pessoal

A cirurgia do pequeno Gustavo Henrique Debrail, de 5 meses, teve que ser adiada devido à falta de sangue no estoque do Hemosul, em Campo Grande. O bebê tem síndrome de down e má formação no coração.

Conforme a mãe, Cristiane Gomes de Assis, de 39 anos, Gustavo precisa refazer três válvulas cardíacas. “Além de refazer as válvulas, será necessário fechar uma parte do coração dele, que é aberta. Esse procedimento cirúrgico é muito agressivo e de alto risco, ele ficará por mais de 6 horas com o peito aberto, por isso, a questão do sangue.”

Ainda de acordo com a Cristiane, no procedimento, Gustavo perderá muito sangue. “Ele vai precisar de muito sangue durante a cirurgia e após a cirurgia, na CTI (Centro de Terapia Intensiva). Por conta do tempo seco e queimadas, as pessoas estão ficando doentes e não estão comparecendo ao Hemosul”, conta.

O tipo sanguíneo de Gustavo é O positivo, mas, conforme a mãe, qualquer um pode doar. “A cirurgiã nos disse que qualquer pessoa pode doar, o hemocentro faz a troca por tipagem do sangue dele.”

O Hemosul fica na Avenida Fernando Corrêa da Costa, 1304, Centro. De segunda a sexta-feira o horário de funcionamento é das 7h às 17h. Aos sábados o Hemosul funciona das 7h às 12h.

Jornal Midiamax