Cotidiano

Chuva ameniza calor, mas Sesau alerta para proliferação do mosquito Aedes aegypti

A chuva tão aguardada nesta quarta-feira (25), em Campo Grande, amenizou o calor, mas deixou a Sesau (Secretaria Municipal de Saúde) em alerta. Com os menores índices de notificação de dengue, zika e chikungunya, desde o início do ano, a Secretaria Municipal de Saúde alerta os moradores para atenção redobrada, pois, é comum durante a […]

Cleber Rabelo Publicado em 25/09/2019, às 14h49 - Atualizado às 14h55

Foto: Reprodução, Prefeitura
Foto: Reprodução, Prefeitura - Foto: Reprodução, Prefeitura

A chuva tão aguardada nesta quarta-feira (25), em Campo Grande, amenizou o calor, mas deixou a Sesau (Secretaria Municipal de Saúde) em alerta.

Com os menores índices de notificação de dengue, zika e chikungunya, desde o início do ano, a Secretaria Municipal de Saúde alerta os moradores para atenção redobrada, pois, é comum durante a estiagem, relaxar nos cuidados e, com a primeira chuva, os criadouros do mosquito voltam a aparecer.

De acordo com o secretário municipal de saúde, José Mauro Filho, é importante que cada um faça a sua parte na luta contra o mosquito Aedes aegypti.

“Nós sabemos que 80% dos focos estão dentro das residências, por isso, principalmente agora com a volta das chuvas, é preciso que todos estejamos atentos para evitar o aumento na proliferação do mosquito e, consequentemente, das doenças. Não basta somente o poder público fazer a sua parte, é preciso a colaboração de todos”, afirmou.

Notificações

Dados da Sesau revelam que até o mês de setembro foram somente 63 notificações, mas isso não significa que a luta contra o mosquito está vencida.

Coisas simples como tampinhas de garrafas que estão largadas no chão já são um criadouro perfeito para o mosquito. Conforme a secretaria de saúde do município, mesmo durante o período de estiagem, a principal forma de combater a proliferação do mosquito é através de ações como a limpeza de calhas, caixas d’agua e piscinas.

Chuva ameniza calor, mas Sesau alerta para proliferação do mosquito Aedes aegypti
Foto: Reprodução, Prefeitura

Também é importante estar atento aos potes de água dos animais de estimação, pratos que ficam embaixo dos vasos de plantas, banheiros que não são frequentemente utilizados e até brinquedos espalhados pelo quintal, já que os ovos do mosquito permanecem nos recipientes por até seis meses, mesmo sem água.

Jornal Midiamax