Cotidiano

Em época de baixa umidade, Bombeiros apagam dez incêndios por dia

Em época de baixa umidade do ar, que nos últimos dias tem sido próxima dos 35%, os números de ocorrências de incêndio em vegetação também aumentam. Em média são 10 ocorrências por dia para cada viatura de combate a incêndio, conhecidas como ABT (Auto Bomba Tanque) dos Bombeiros. Porém não é só a baixa umidade […]

Mariana Rodrigues Publicado em 09/06/2019, às 15h51 - Atualizado em 10/06/2019, às 11h49

Foto: Cleber Rabelo
Foto: Cleber Rabelo - Foto: Cleber Rabelo

Em época de baixa umidade do ar, que nos últimos dias tem sido próxima dos 35%, os números de ocorrências de incêndio em vegetação também aumentam. Em média são 10 ocorrências por dia para cada viatura de combate a incêndio, conhecidas como ABT (Auto Bomba Tanque) dos Bombeiros.

Porém não é só a baixa umidade relativa do ar que contribui para o aumento do incêndio, vandalismo e o jeitinho brasileiro de querer limpar o quintal de casa ajuntando o lixo e colocando fogo, também pode ser um risco e acabar em prisão.

Conforme informou sargento Sabioni, nessa época do ano a umidade baixa e o fato de atear fogo em vegetação, o risco das chamas se alastrarem e perder o controle é muito grande por conta do tempo seco. “A orientação é manter os terrenos limpos, carpir sempre que a vegetação estiver alta e ficar atento aos problemas respiratórios comuns nessa época”.

A equipe do Jornal Midiamax acompanhou um desses incêndios em vegetação neste domingo (9), na Rua do Poente, na Vila Fernanda. Nessa ocorrência, foram usados 3 mil litros de água, também foi usado um canhão de água para extinguir as chamas. Os bombeiros acreditam que alguém tenha colocado fogo e por conta do tempo seco, as chamas se alastraram e a fumaceira se espalhou pelo local.

Ainda conforme informações do Corpo de Bombeiros, as causas para o aumento de incêndios sãos as mais variadas, e vão desde vandalismo até proprietários que colocam fogo no lixo no quintal de casa. Porém em todos os casos, a prática é crime e o autor pode ser preso. A pena pode chegar a seis anos de reclusão e multa.

Jornal Midiamax