Cotidiano

Superlotado: pacientes esperam sentados no chão por atendimento no UPA Leblon

Cerca de 150 pacientes esperam por atendimento médico na UPA Leblon desde às 6h manhã desta terça-feira (30) em Campo Grande e, devido a superlotação da unidade, muitos moradores, até sangrando, esperam sentados no chão por atendimento devido à falta de assentos. Conforme apurado pela reportagem do Jornal Midiamax no local, haviam pacientes com ferimentos […]

Mariane Chianezi Publicado em 30/10/2018, às 14h48 - Atualizado em 31/10/2018, às 10h15

Unidade de Pronto Atendimento no UPA Leblon está superlotado | Foto: Minamar Júnior/Jornal Midiamax
Unidade de Pronto Atendimento no UPA Leblon está superlotado | Foto: Minamar Júnior/Jornal Midiamax - Unidade de Pronto Atendimento no UPA Leblon está superlotado | Foto: Minamar Júnior/Jornal Midiamax

Cerca de 150 pacientes esperam por atendimento médico na UPA Leblon desde às 6h manhã desta terça-feira (30) em Campo Grande e, devido a superlotação da unidade, muitos moradores, até sangrando, esperam sentados no chão por atendimento devido à falta de assentos.

Conforme apurado pela reportagem do Jornal Midiamax no local, haviam pacientes com ferimentos expostos e sangrando desistiram de receber atendimento e foram embora. Os pacientes que ainda permanecem no local, alegam negligência dos médicos.

Keite Nara da Silva, auxiliar de manutenção, disse que está fazendo uma verdadeira peregrinação nas unidades públicas de saúde em busca de atendimento. A moradora foi na unidade do Vila Almeida e nesta terça-feira (30), procurou o Leblon.

“Machuquei a mão ontem e até agora não consegui atendimento. Eu caí, machuquei a mão e preciso dela para conseguir trabalhar”, contou à reportagem. Além disso, ela relata que sempre que perguntam sobre o andamento dos atendimentos, funcionários dão informações desencontradas.

“Eles não dão informações claras, tem pessoas sangrando e desmaiando. É uma palhaçada. Se a gente vai reclamar com eles, eles chamam a polícia e a gente ainda vai preso por desacato [ao funcionário público]”, declarou Keite.

Outra paciente afirma que as dores na coluna a fizeram procurar a UPA, mas que, desde manhã não há sinais de médicos atendendo na unidade. “Minha coluna fica travada se eu fico muito tempo sentada. Isso é um absurdo”, contou Maria Expedita, de 52 anos.

Superlotado: pacientes esperam sentados no chão por atendimento no UPA Leblon
Foto: Reprodução/WhatsApp

À reportagem a assessoria de imprensa da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde) disse que, apesar da alegação dos pacientes, há 4 médicos atendendo na UPA Leblon, sendo 2 nas urgências e 2 atendendo os demais.

O rapaz que estava com ferimento na cabeça e aparece sangrando em foto, teria sido atendimento e recebido alta médica após avaliação.

Jornal Midiamax