Cotidiano

Obras do Reviva Campo Grande derrubaram vendas em 70%, dizem lojistas

Os lojistas do Centro da Capital estão insatisfeitos com as obras do Reviva Campo Grande, que podem se estender por pelo menos mais um mês. Segundo comerciantes da região da 14 de Julho com a rua Maracaju, as obras já impactaram as vendas com uma redução de até 70%.

Mylena Rocha Publicado em 04/07/2018, às 11h20 - Atualizado às 17h03

Foto: PMCG
Foto: PMCG - Foto: PMCG

Os lojistas do Centro da Capital estão insatisfeitos com as obras do Reviva Campo Grande, que podem se estender por pelo menos mais um mês. Segundo comerciantes da região da 14 de Julho com a rua Maracaju, as obras já impactaram as vendas com uma redução de até 70%.

Em nota, a CDL (Câmara de Dirigentes Lojistas) afirma que as obras causam transtorno na região e que os comerciantes haviam se preparado para o fechamento e diminuição do movimento de clientes apenas no próximo ano. “Lojistas de repente se viram no meio do caos, com máquinas, buracos e sujeira em frente as suas lojas, fato que afastou os clientes”, afirma.

Os comerciantes já se reuniram com a administração municipal para apontar problemas. O presidente Adelaido Vila ressalta que os lojistas foram pegos de surpresas em um período de renovação de estoques. “Nós voltamos a ressaltar que apoiamos o projeto, mas temos grande preocupação com a sobrevida dos empresários, que se não tiverem o apoio necessário não chegarão ‘vivos’ no final das obras. É essencial que a administração tenha sensibilidade para com os empresários e não tome novas atitudes sem comunicação prévia”, frisou Adelaido.

A Prefeitura propôs ações para minimizar o impacto das obras, como reuniões para informar o andamento e cronograma, implantação da sinalização visual para que os clientes sejam estimulados a fazerem compras mesmo com as obras, eventos de venda periódicos, com fechamento de ruas e atrações culturais, além de campanha de estímulo ao comércio na região central.

Os lojistas ainda fazem reivindicações, como o apoio para negociação dos pagamentos de contas de água, luz e telefonia, além da redução das taxas da administração municipal durante o período de obras.

(Com informações da CDL)

Jornal Midiamax