Cotidiano

Notificações de casos de dengue diminuem em 30% este ano em Campo Grande

Campo Grande registrou uma redução de 30% no número de notificações dengue nos primeiros meses do ano, em comparação com o mesmo período do ano passado. De janeiro a julho deste ano, foram 1.289 casos notificados, contra 1.854 em 2017.

Mylena Rocha Publicado em 18/07/2018, às 11h39

(Foto: Divulgação/PMCG)
(Foto: Divulgação/PMCG) - (Foto: Divulgação/PMCG)

Campo Grande registrou uma redução de 30% no número de notificações dengue nos primeiros meses do ano, em comparação com o mesmo período do ano passado. De janeiro a julho deste ano, foram 1.289 casos notificados, contra 1.854 em 2017.

Campo Grande têm registrado uma redução expressiva nos casos de dengue. Há dois anos, o município enfrentou uma crise e só no primeiro semestre do ano foram feitas 25 mil notificações da doença. Até o fim deste mesmo ano, o número chegou a 28,5 mil notificações. É como se em 2016, 79 pessoas tivessem suspeita da doença a cada 24 horas.

Já no ano seguinte, em 2017, os casos da doença apresentaram uma redução. De janeiro a dezembro, foram notificados 3.190 casos de dengue, uma redução de mais de 90% em comparação com 2016.

Os dados são do Serviço de Vigilância Epidemiológica da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde). A Sesau aponta que a redução do número de casos é fruto das ações de orientação e enfrentamento desenvolvidas nos últimos dois anos. “Tivemos a preocupação desde o início de agir o quanto antes para que não em um futuro próximo não enfrentássemos novas epidemias de doenças relacionadas ao Aedes”, afirma o secretário Marcelo Vilela.

A Sesau aponta algumas estratégias tomadas para o combate à doença transmitida pelo mosquito Aedes Aegypti. A primeira medida foi a de intensificar as ações de educação em saúde, com o lançamento de uma campanha em março do ano passado. Além disso, também foi desenvolvido um projeto para o recolhimento de lixo em regiões com maior índice de infestação do mosquito, o mapeamento e identificação de áreas de difícil acesso para vistorias, a convocação de mais agentes comunitários de saúde e de combate a endemias e a intensificação do serviço de borrifação com o fumacê.

Jornal Midiamax