Cotidiano

Na última hora, consumidores encontram muita fila e pouca promoção de Páscoa

Barras e bombons são líderes de vendas

Wendy Tonhati Publicado em 31/03/2018, às 19h23

None

Barras e bombons são líderes de vendas

Neste sábado (31), véspera do Domingo de Páscoa, 1º de abril, os consumidores foram às compras no Centro de Campo Grande. Com muitas mães, pais e crianças, a movimentação foi intensa e as lojas ficaram cheias e com muitas filas. Os clientes disseram não ter percebido grandes  aumentos de preço, com relação ao ano passado, mas, também não foram encontradas boas promoções na última hora.

Na principal loja popular do Centro, na rua Dom Aquino, a fila exigia paciência. Parte dos estoques de ovos já haviam sido vendidos, mas, ainda havia muitos disponíveis. Os funcionários faziam a reposição principalmente das barras de chocolate e de caixas de bombons. Na véspera da Páscoa, ainda não havia grandes promoções na rede.

Matheus, de 6 anos, foi às compras com a mãe, que é bombeira voluntária, mas, não encontrou o ‘ovo com brinquedo’ que tanto queria. “Deixei para última hora, porque estava esperando o dinheiro, que só peguei ontem. Aqui achei caro o ovo com brinquedo que ele queria e não de para comprar. Vamos em outra loja”. Na loja, as compras dos dois foi de cerca de R$ 70, em ovos e bombons que vão ser divididos com a família. “Não está tão diferente dos preços do ano passado”, comenta.

Na última hora, consumidores encontram muita fila e pouca promoção de Páscoa

O estudante Rafael Antônio também foi ao local comprar o ovo da Páscoa como presente para a namorada. “Vim comprar para a minha namorada e prefiro aqui pela qualidade do chocolate e porque é mais bonito”, diz.  A loja fez uma promoção de compre 2 ovos e leve três que também atraiu os consumidores.

As lojas que vendem materiais para a fabricação de ovos de Páscoa também tiveram movimentação intensa. A professora Giane Sampaio, diz que a família costuma fazer os próprios ovos de Páscoa como forma de personalizar o presente. Segundo ela, a filha, que foi quem fez as compras, achou os preços dos materiais, como as embalagens, em conta. Já o chocolate e doces, não estavam tão baratos.

“Fazemos o caseiro, com brigadeiro e com o que cada sobrinho gosta, além da embalagem personalizada. Também teve o kit família que além dos doces, tinha um acessório de presente”, explica a professora.  

Jornal Midiamax