Cotidiano

Treta no aplicativo: motoristas da Urban são suspensos por criar grupo de WhatsApp em MS

Motoristas da plataforma Urban, que atua ha cerca de 8 meses na Capital, foram suspensos do serviço após criarem grupo de WhatsApp para cobrar da startup melhorias em segurança. A suspensão teria ocorrido no sábado (13) enquanto alguns motoristas conduziam passageiros e logo após uma série de desentendimentos no grupo. De acordo com Eduardo Monteiro, […]

Guilherme Cavalcante Publicado em 15/10/2018, às 13h08 - Atualizado em 16/10/2018, às 07h48

(Foto: Guilherme Cavalcante | Midiamax)
(Foto: Guilherme Cavalcante | Midiamax) - (Foto: Guilherme Cavalcante | Midiamax)

Motoristas da plataforma Urban, que atua ha cerca de 8 meses na Capital, foram suspensos do serviço após criarem grupo de WhatsApp para cobrar da startup melhorias em segurança. A suspensão teria ocorrido no sábado (13) enquanto alguns motoristas conduziam passageiros e logo após uma série de desentendimentos no grupo.

Treta no aplicativo: motoristas da Urban são suspensos por criar grupo de WhatsApp em MS
Motoristas querem mais rigor da empresa no cadastro dos passageiros (Foto: Guilherme Cavalcante | Midiamax)

De acordo com Eduardo Monteiro, de 44 anos, um dos motoristas que teve o cadastro suspenso no fim de semana, o grupo foi criado para conversar com outros condutores sobre necessidades de melhorias em segurança, tanto para eles quanto para passageiros.

“O grupo foi criado para discutirmos uma forma de abordar a empresa, tanto é que adicionamos os nossos gestores. Mas, quando colocávamos nossos pedidos, começamos a ser hostilizados, recebemos respostas irônicas. Depois, quando fui ver, eu tinha sido suspenso pelo aplicativo”, detalha.

Assim como Eduardo, Luciano Lopes, de 40 também foi suspenso no sábado. “Também entrei no grupo porque estamos muito vulneráveis no Urban. É a melhor plataforma em relação aos rendimentos, sem dúvidas. Mas, ela é pouco criteriosa em relação aos passageiros, em comparação com os outros aplicativos. Era isso que queríamos que a empresa melhorasse, porque estão ocorrendo muitos assaltos. Depois do grupo também fui surpreendido

com a suspensão”, relata.

Reunião e providências

Uma reunião entre os motoristas cadastrados e a direção da empresa foi marcada para às 14h desta segunda-feira (15) e posteriormente antecipada para as 10h, na sede local da empresa, no bairro Chácara Cachoeira. Cerca de 20 motoristas compareceram, mas três representaram o coletivo. A principal reivindicação era reverter as suspensões e cobrar medidas mais efetivas de segurança.

Representante da Urban em Campo Grande, o advogado Erickson Carlos Lagoin destacou que as suspensão serão revertidas, porém, que fazem parte da estratégia da empresa para convocar os motoristas para uma conversa presencial.

“Em nenhum momento a suspensão é feita para penalizar o motorista, mas ocorre diante de alguns fatos como o ocorrido no grupo e é para proporcionar uma conversa presencial e sem mal entendidos. Hoje escutamos os anseios da categoria e inclusive recomendamos que eles criem uma associação, para que a representatividade deles seja melhor e mais efetiva. Todos os motoristas suspensos que procurarem a empresa serão reintegrados à plataforma”, destaca Lagoin.

Treta no aplicativo: motoristas da Urban são suspensos por criar grupo de WhatsApp em MS
Representante da startup, o advogado Erickson Lagoin destacou que as suspensões não foram retaliações e que todos serão reintegrados à plataforma (Foto: Guilherme Cavalcante | Midiamax)

O representante também destacou que a empresa pretende fazer melhorias no aplicativo – estima-se que somente em Campo Grande haja cerca de 400 mil usuários e cerca de 3.500 motoristas cadastrados. Dentre as providências, está a criação de convênios com empresas de rastreamento que dariam mais segurança aos motoristas, inclusive com câmeras de vídeo que filmem o trajeto, com custo à parte.

“Também acolhemos uma proposta de indicar ao motorista um perfil do passageiro, como um número de corridas que ele já fez e mais dados deles. Atualmente fazemos a análise dos clientes por amostragem, assim como em outras plataformas, mas queremos encontrar uma maneira de fazer essa checagem melhorar para melhorar essa segurança”, acrescenta Lagoin.

Nas últimas semanas, motoristas de aplicativo denunciaram uma onda de assaltos por parte de clientes que se aproveitavam da fragilidade do cadastro para chamar corridas e cometer crimes. De acordo com os condutores, a Urban é uma das plataformas mais interessantes tanto para o passageiro como para o motorista.

“Mas é a mais suscetível a esses crimes e muita gente acaba desistindo do aplicativo. O sistema não pede CPF e nem foto a pessoa precisa colocar. Já tivemos casos de passageiro que ostenta no perfil foto segurando arma. Mas, se a gente cancela uma corrida dessas, um custo é gerado para nós”, destaca Eduardo.

Os representantes do grupo que participaram da reunião pretendem levar a ideia da criação da associação ao coletivo.

Jornal Midiamax