Cotidiano

Ministério da Saúde aponta 4 casos de febre amarela sob suspeita em MS

Dos 9 casos suspeitos notificados, 5 já foram descartados

Maisse Cunha Publicado em 21/03/2018, às 20h06

None

Dos 9 casos suspeitos notificados, 5 já foram descartados

​Boletim do Ministério da Saúde, divulgado nesta quarta-feira (21), aponta quatro casos sob suspeita de febre amarela em Mato Grosso do Sul. Conforme os dados, entre 1 de julho de 2017 e 20 de março de 2018, nove casos suspeitos foram notificados, mas cinco já foram descartados, após a realização de exames.

Conforme o levantamento, que traz dados repassados por todas as Secretarias de Saúde do país, 4.102 casos suspeitos foram registrados no país no período em questão. Destes, 2.150 já foram descartados, 1.098 confirmados e 854 ainda estão sob investigação.

Segundo o Ministério da Saúde, 340 óbitos foram registrados no período, dos quais 142 apenas no estado de Minas Gerais. 129 óbitos foram registrados no estado de São Paulo e 68 no Rio de Janeiro. Distrito Federal registrou uma morte até o momento.

A reportagem do Jornal Midiamax tentou contato com a SES (Secretaria de Estado de Saúde) para saber mais detalhes sobre as informações apresentadas no boletim, mas até a publicação desta reportagem, não obteve sucesso.

Investigação

Segundo o boletim, há casos pendentes de descarte nos estados do Amapá (2), Amazonas (3), Pará (9), Rondônia (1), Tocantins (2), Alagoas (6), Bahia (17), Ceará (1), Maranhão (2), Paraíba (4), Pernambuco (2), Piauí (2), Distrito Federal (18), Goiás (22), Espírito Santo (24), Minas Gerais (323), Rio de Janeiro (40), São Paulo (316), Paraná (14), Rio Grande do Sul (16) e Santa Catarina (26).

Ainda segundo o boletim, estados de Acre, Roraima, Rio Grande do Norte, Sergipe e Mato Grosso permanecem sem casos investigados.

Vacinação

Na terça-feira (20), o Ministério da Saúde anunciou que a vacinação contra a febre amarela passou a ser recomendada para todo território brasileiro. A decisão foi tomada após o segundo ano de alta no número de casos da doença, além da maior proximidade do vírus nas áreas urbanas.

De acordo com o cronograma do governo, a ampliação da vacinação ocorrerá de forma gradual até abril de 2019. No Rio de janeiro, São Paulo e Bahia, a vacinação continuará a ser feita com doses fracionadas.

Conforme o Ministério da Saúde, devem ser vacinadas cerca de 77,5 milhões de pessoas em todo país, número correspondente à estimativa atual de pessoas não vacinadas nessas áreas.

Jornal Midiamax