Cotidiano

Manifestantes bloqueiam fronteira Brasil-Bolívia em protesto a Morales

Conhecido ponto de compras, Feirinha está fechada 

Clayton Neves Publicado em 21/02/2018, às 18h55

None

Conhecido ponto de compras, Feirinha está fechada 

Contrários a permanência do presidente Evo Morales no comando da presidência da Bolívia, grupo de manifestantes bloquearam nesta quarta-feira (21) a fronteira entre o Brasil e o País vizinho pelas cidades de Corumbá, em Mato Grosso do Sul, e Puerto Quijarro. A interdição acontece também na região de divisa com outros países, entre eles a Argentina.

De acordo com informações do site Diário Corumbaense, a passagem pela fronteira entre Corumbá e Puerto Quijarro está liberada somente  para pedestres. Dois caminhões, estacionados entre a Central Fronteiriça impedem o fluxo de veículos nos dois sentidos. Ponto tradicional do comércio fronteiriço, a Feirinha está com boa parte das lojas fechadas.

O presidente do Comitê Cívico de Arroyo Concepcíon (distrito fronteiriço de Puerto Quijarro), Antonio Chávez Mercado, afirmou que a paralisação terá duração de 24 horas, sendo o fluxo liberado a zero hora desta quinta-feira (22). Segundo ele, novos bloqueios devem acontecer nos próximos dias.Manifestantes bloqueiam fronteira Brasil-Bolívia em protesto a Morales

Este é o terceiro bloqueio somente neste ano. O protesto acontece em toda a Bolívia e é chamado de 21-F, em referência ao dia 21 de fevereiro de 2016, quando foi realizada consulta pública sobre a possibilidade de candidatura para o terceiro mandato seguido de Evo. O movimento provocou o fechamento de parte do comércio e setores institucionais.

Durante plebiscito em 2016 a possibilidade de reeleição foi rejeitada por 51% dos que participaram da consulta popular, No entanto, em novembro de 2017, a Justiça da Bolívia decidiu acabar com o número mínimo de mandatos consecutivos no país, favorecendo mais um mandato do presidente Evo Morales. A nova eleição para o posto de presidente da Bolívia deve ocorrer em 2019.

Jornal Midiamax