Cotidiano

Em época de chuvas, escorpiões fazem vítimas em Campo Grande

Aracnídeo se prolifera em locais onde há lixo e entulhos

Maisse Cunha Publicado em 16/02/2018, às 20h27

None

Aracnídeo se prolifera em locais onde há lixo e entulhos

Com a incidências das chuvas e a não conservação da limpeza de casas e terrenos, os escorpiões aproveitam para fazer novas vítimas, em Campo Grande. Na semana passada, o pedreiro Luiz Fernando Simões, de 28 anos, morador do Jardim Campo Novo, região norte da Capital, foi uma delas.

Na noite da última quinta-feira (15), seu filho de 3 anos chegou bem perto de também entrar para as estatísticas de pessoas picadas pelo aracnídeo. Por sorte, a mãe da criança, a jovem Jhennyffer da Silva Molina, de 21 anos, constatou a presença do escorpião no quarto do filho e impediu que ele tivesse a mesma sorte do pai.

“Aqui na frente da nossa casa tem um enorme terreno, onde antes era uma horta, cheio de entulhos, todo tipo de lixo, e o proprietário não toma nenhuma providência para a limpeza dele. Tenho dois filhos pequenos e já é o terceiro escorpião que encontro dentro de casa somente no último mês”, desabafou a mãe.

Após a picada, o pai da criança recebeu tratamento médico, mas, na tarde desta sexta-feira (16), enquanto sua esposa conversava com a reportagem do Jornal Midiamax, o pedreiro teve de retornar novamente a UBS (Unidade Básica de Saúde) Nova Bahia, por conta de complicações no local do ferimento.

Cuidados

Para evitar a aproximação do escorpião, a população deve manter quintais limpos e livres de entulho. Também é importante, conforme o CCZ (Centro de Controle de Zoonoses), que sejam adotadas barreiras físicas em frestas e rodapés de portas.

O CCZ ainda recomenda que a população tampe ralos de banheiros, cozinhas, pias e áreas externas, evite que móveis como cama, sofá e guarda-roupas fiquem encostados em paredes e, ainda, que roupadas e calçados não sejam deixados no chão ou em locais rasteiros.

A população deve tomar muito cuidado na hora de realizar a eliminação do aracnídeo. Segundo o CCZ, o escorpião deve ser abatido sem o uso de inseticidas, uma vez que eles podem deixa-lo ainda mais irritado e ativo, causando ainda mais riscos a quem esteja por perto.

Após a eliminação, o escorpião deve ser colocado em um recipiente com álcool e o CCZ comunicado imediatamente pelo telefone (67) 3314-5000. Uma equipe será enviada ao local para avaliar o caso e repassar as informações necessárias.

Em época de chuvas, escorpiões fazem vítimas em Campo Grande

Denúncias

Moradores que residem próximos a terrenos baldios devem formalizar reclamação na Ouvidoria do SUS (Sistema Único de Saúde) pelo telefone 3314-9955, informando o endereço do local onde não há conservação ou limpeza.

Após a denúncia, conforme o CCZ, uma equipe visitará o local para verificar as condições do terreno e o proprietário será notificado para que faça a limpeza. Caso ele não realize dentro do prazo determinado, poderá sofrer um processo administrativo passível de multa, podendo, inclusive, ser autuado judicialmente.

Jornal Midiamax