Cotidiano

Depois de mudar de cor, PMA investiga causas da lama no Rio da Prata

Mundialmente conhecido pelas águas cristalinas, o Rio da Prata foi do azul ao vermelho, após ser invadido pela lama neste fim de semana. Localizado nos municípios de Jardim e Bonito, a 240 km e 300 km de Campo Grande, o rio ficou enlameado após uma forte chuva. O Tenente-Coronel Queiroz, da PMA (Polícia Militar Ambiental), […]

Mylena Rocha Publicado em 19/11/2018, às 12h07 - Atualizado às 14h41

None
Foto: Divulgação/ Seu Assis Camping e Balneário

Mundialmente conhecido pelas águas cristalinas, o Rio da Prata foi do azul ao vermelho, após ser invadido pela lama neste fim de semana. Localizado nos municípios de Jardim e Bonito, a 240 km e 300 km de Campo Grande, o rio ficou enlameado após uma forte chuva.

O Tenente-Coronel Queiroz, da PMA (Polícia Militar Ambiental), informou que equipes estão no local desde o sábado (18) para fazer uma vistoria no rio. “Temos uma equipe lá, levamos drones para identificar de onde vem esta lama e o que causa o carreamento superficial da bacia”, diz.

A PMA já suspeita das causas do acidente ambiental, mas as informações devem ser divulgadas após o fim da vistoria, na tarde desta segunda-feira (19). Segundo Queiroz, o objetivo da vistoria é identificar se a atividade rural próxima ao rio é legalizada.

“Vou dar um exemplo, se a lama saiu de uma fazenda com plantio de soja, o Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul) vai avaliar se foi o excesso de chuva fez aquilo e se o proprietário não tomou atitude para evitar. Além disso, se a atividade não for autorizada, já é emitido o auto de infração”, diz.

Rio vermelho

Conhecido pelas águas cristalinas, o Rio da Prata atrai turistas do mundo todo. Diego Scherer Luciano é proprietário de um camping e balneário, que perdeu 120 turistas agendados para visita. Segundo ele, choveu cerca de 80 mm em duas horas e foi a segunda vez que a água mudou de cor, mesmo em 21 anos da atração turística. “Este rio sempre encheu, mas não sujava. Verificamos esta lama ontem na hora de abrir, foi a segunda vez que aconteceu, as duas neste ano”, diz.

A imagens publicadas na página do balneário mostram lavouras próximas ao ‘lamaçal’, o que causou indignação de moradores e turistas. “O que está acontecendo é o que sempre aconteceu no MS e em todo o Brasil: o desmatamento acima da natureza”, publicou um dos usuários da rede social.

Jornal Midiamax