Cotidiano

Arraiá da AACC/MS comemora 20 anos e mudança para Alfredo Abrão

Arraiá da AACC/MS acontece neste sábado (9), até às 22 horas e espera arrecadar R$ 250 mil para transferência do Cetohi para o Alfredo Abrão.

Tatiana Marin Publicado em 09/06/2018, às 16h48

Tradicional, Arraiá da AACC/MS pretende arrecadar R$ 150 mil.
Tradicional, Arraiá da AACC/MS pretende arrecadar R$ 150 mil. - Tradicional, Arraiá da AACC/MS pretende arrecadar R$ 150 mil.

O Arraiá da AACC/MS (Associação dos Amigos das Crianças com Câncer de MS) acontece neste sábado (9), no Centro de Convenções Albano Franco e vai até às 22h. Neste ano a instituição tem a meta de arrecadar R$ 150 mil para ajudar no custo da transferência do CETOHI (Centro de Tratamento Onco-Hematológico Infantil) do Hospital Regional para os dois andares Hospital do Câncer Alfredo Abrão.

“Todo recurso arrecadado, vai para a mudança. No Alfredo Abrão vai aumentar o número do leitos, a estrutura vai ficar mais moderna e vamos atender com mais qualidade”, afirma Fernanda Oliveira, Gestora de Captação de Recurso AACC/MS.

O projeto de transferência prevê um gasto de aproximadamente R$2,5 milhões para a AACC/MS e contempla ambientação, aquisição de móveis. Atualmente a associação atende 556 criancas.

Arraiá da AACC/MS

Arraiá da AACC/MS comemora 20 anos e mudança para Alfredo AbrãoA organização do evento espera a presenta de 3 mil a 4 mil pessoas. A festa junina conta com cardápio repleto de comidas típicas, como arroz carreteiro, espetinho, linguiça de Maracaju, caldos e doces. Além da apresentação de grupos de danças regionais, quadrilhas e espaço kids, é um evento para toda a família.

Empresas parceiras levam os produtos para vender nas barracas. Segundo Fernanda, a Plaenge e a Mosena são empresas parceiras que sempre ajudaram nestes 20 anos.

A dona de casa Telma Gonzada, de 38 anos, que recebe apoio da instituição, participa pela primeira vez da festa junina. “A gente ajuda. Na casa, a gente tem bastante apoio, se fosse um lugar ruim não era tão bem recebido, o que seria da gente se não tivesse a AACC?”, questiona ela.

Arraiá da AACC/MS - Dona Telma Gonzada e o filho Luiz Felipe recebem apoio da instiuição. (Marcos Ermínio)
Dona Telma Gonzada e o filho Luiz Felipe recebem apoio da instiuição. (Marcos Ermínio)

Há um ano e meio seu filho Luiz Felipe, de 6 anos, foi disgnosticado com câncer neuroendócrino e descobriu a AACC/MS depois de 21 dias em que o menino ficou internado. Morando em Três Lagoas, ela permanece em Campo Grande com a ajuda da associação para o tratamento da doença. Quando está bem, ela vai para Três Lagoas e fica por um final de semana e logo precisa retornar.

No site da instituição há informações sobre como contribuir. Além dos eventos periódicos para arrecadação de fundos, é possível fazer doações. A instituição pede também doação de roupas e calçados para realização de brechós.

Serviço
Arraiá da AACC/MS
Centro de Convenções Albano Franco
Avenida Mato Grosso, 5017
Até às 22 horas
Ingressos: R$ 10,00 (crianças de até 8 anos não pagam)

Jornal Midiamax