Cotidiano

Após operação, Minerworld deve apresentar defesa

Justiça bloqueou R$ 300 milhões em bens

Aliny Mary Dias Publicado em 23/04/2018, às 13h23 - Atualizado às 14h50

None

Empresa do ramo de bitcoins, a Minerworld afirma, por meio de advogado, que vai apresentar defesa contra ação que motivou a Operação Lucro Fácil, deflagrada na última terça-feira (17) pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado).

Em mensagem compartilhada em grupos da empresa e assinada pelo advogado Rafael Lopes, a empresa afirma que a defesa será apresentada nesta próxima semana “antes mesmo do prazo da defesa ser aberto objetivando demonstrar a preocupação da empresa com a referida demanda judicial”.

O defensor afirma, ainda, que reunião com o promotor que fez a denúncia a Justiça já está marcada “Para que possamos conversar sobre a empresa, buscando a melhor solução para os nossos clientes”.

Lopes explica que os investidores em moedas digitais associados à Miner receberão comunicados semanais com atualizações sobre o caso. “Buscaremos ser o mais transparente e eficiente possível em toda nossa comunicação”.

Ação

Na decisão que autorizou cumprimento de mandados de busca e apreensão contra a Minerworld e empresas ligadas a ela, o juiz David de Oliveira Gomes Filho, da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos decidiu que R$ 300 milhões em bens de três empresas de bitcoins fossem bloqueados.

Além da Minerworld, são alvos da ação a Bit Ofertas e Bitpago, que estão proibidas de associar novos investidores. Se fizerem, deverão pagar multa de R$ 50 mil por pessoa que aderir ao negócio.

Jornal Midiamax