Cotidiano

Advogada morre de gripe H3N2 em Naviraí e prefeitura trata como caso isolado

A advogada Mônica Reis, 30 anos, morreu, na noite de quinta-feira (19), logo após dar entrada no Hospital Municipal de Naviraí, a 359 quilômetros de Campo Grande. Exames confirmaram que ela foi vítima do vírus influenza, causador da gripe, do tipo H3N2. A Gerência de Saúde da cidade trata o caso como fato isolado. “O […]

Richelieu Pereira Publicado em 21/04/2018, às 12h41 - Atualizado em 23/04/2018, às 07h53

None

A advogada Mônica Reis, 30 anos, morreu, na noite de quinta-feira (19), logo após dar entrada no Hospital Municipal de Naviraí, a 359 quilômetros de Campo Grande. Exames confirmaram que ela foi vítima do vírus influenza, causador da gripe, do tipo H3N2. A Gerência de Saúde da cidade trata o caso como fato isolado.

“O caso foi confirmado através de exames laboratoriais realizados em Campo Grande, com material coletado, secreção nasofaringea com resultado positivo sendo Vírus Influenza A Sazonal H3N2 renomeado para Influenza A (H3), conforme Laboratório Central de Saúde Pública de MS (LACEN)”, informa o gerente de Saúde, Edvan Thiago Barros Barbosa, em nota publicada no site da prefeitura de Naviraí.

O órgão afirma que todos os procedimentos foram tomados pelos profissionais do hospital, e que a paciente teve uma parada cardíaca na sala de consulta e mesmo com tentativas de reanimação não foi possível evitar a morte da advogada.

A Saúde do município trata a situação com um caso isolado e que o hospital está equipado com todas as medidas e que a “população pode ficar tranquila, pois para as pessoas de risco as primeiras doses da vacina começam a ser aplicadas nesta segunda-feira (23) em todos os postos de saúde”.

Segundo o último informe epidemiológico, divulgado pela Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde no início deste mês, Mato Grosso do Sul tinha registrado apenas um caso de morte ocasionado pelas variações do vírus influenza.

Jornal Midiamax