Cotidiano

Vazamento de amônia intoxica de ’15 a 20′ trabalhadores, diz delegado da Polícia Civil

Local do acidente foi interditado e empregados dispensados

Celso Bejarano Publicado em 06/04/2017, às 19h08

None
jbs_ac_idente.png

Local do acidente foi interditado e empregados dispensados

Forte cheiro de amônia, gás tóxico que vazou no início da tarte desta quinta-feira (6), num dos compartimentos do frigorífico JBS, na saída de Campo Grande para Sidrolândia, fez com que peritos da Polícia Civil interrompessem o trabalho de investigação. O levantamento para saber as causas do vazamento será retomado amanhã cedo, sexta-feira (7).

O delegado da Polícia Civil, Cleverson Alves dos Santos, disse que entre 15 e pessoas passaram mal ao inalarem  o gás, contudo dez foram atendidos pelos socorristas bombeiros e do Samu.

Ele disse ainda que a perícia feita nesta tarde foi o que chamou de preliminar e que nova vistoria acontece amanhã. O vazamento ocorreu no setor onde ficam as máquinas. O frigorífico emprega 1,2 mil trabalhadores. O setor das máquinas fica ao lado de um alojamento.

Pedro Luiz Santos, 46, funcionário do JBS há seis anos no setor de desossa, disse que no local do acidente havia poucos empregados porque era horário de intervalo do almoço. 

Santos disse que houve muita correria na hora do vazamento. Empregados desmaiaram e, ao menos três, foram levados para o posto de saúde por um caminhão, antes da chegada das viaturas de socorro. O trabalhador disse ainda que o incidente ocorrido foi o primeiro que viu em seus seis anos de empresa.

“A gente faz muito treino [prevenção de acidentes], mas quando acontece de verdade é outra coisa, disse Santos.

O comando da empresa, por orientação da perícia, determinou a interdição do setor das máquinas e também dispensou os empregados.

Jornal Midiamax