Cotidiano

Sesau divulga orientações após paciente quebrar UPA por causa de demora

Em casos menos graves, deve-se procurar unidade básica

Wendy Tonhati Publicado em 18/12/2017, às 12h08

None

Em casos menos graves, deve-se procurar unidade básica

A Sesau (Secretaria Municipal de Saúde) está divulgando orientações sobre qual unidade de saúde a população deve procurar, dependendo da gravidade do caso. A medida é para evitar situações como a da tarde do último domingo (17), em que uma paciente vandalizou uma sala da UPA (Unidade de Pronto Atendimento) por conta da demora no atendimento.

De acordo com a Sesau, em Campo Grande, são seis UPAs e 4 CRS (Centro Regional de Saúde), que atendem diariamente mais de quatro mil pessoas. Os atendimentos nestas unidades são feitos por classificação –sendo os mais graves primeiro- e não por ordem de chegada.

A orientação da Sesau para que o paciente procure uma UBS (Unidade Básica de Saúde) próximo de casa em casos que não são graves. Dessa forma, evita-se as longas filas e transtornos.

Sesau divulga orientações após paciente quebrar UPA por causa de demoraConfusão

Depois de dar entrada na UPA Coronel Antonino na tarde do domingo (17) e reclamar de demora para ser medicada, uma mulher de 42 anos destruiu a enfermaria da unidade e desacatou funcionários. Segundo o boletim de ocorrência registrado, mais de 1.200 itens usados no atendimento dos pacientes foram danificados.

Conforme a Sesau, a paciente deu entrada na unidade por volta de 15h40 queixando-se de dor e passou pela classificação de risco e acolhimento de Enfermagem. Ela foi encaminhada para o Setor Verde –menor gravidade- onde permaneceu em observação e foi orientada a aguardar a avaliação do médico.

Aproximadamente 20 minutos depois, a paciente, que estava sendo acompanhada da filha, desceu da maca e passou a agredir verbalmente a equipe com palavras de baixo calão e derrubou diversos materiais da sala, medicamentos e insumos. Depois da confusão, a paciente foi embora do local. 

A Sesau chegou a divulgar uma nota de repúdio sobre o caso.

Jornal Midiamax