Cotidiano

Prefeitura afirma ter gastado R$ 12,5 milhões para tapar 90 mil buracos na Capital

Serviços de manutenção também são alvos

Tatiana Marin Publicado em 10/04/2017, às 18h13

None
tapaburaco.jpg

Serviços de manutenção também são alvos

Ao chegar no 100º dia de administração a Prefeitura de Campo Grande afirma que o serviço de tapa-buracos já recuperou 90 mil buracos que, se enfileirados, somam 33 quilômetros de remendos. Conforme dados da Sisep (Secretaria de Infraestrutura e Serviços Públicos) o investimento destinado para tais obras foram de R$ 12,5 milhões.

Após o período de chuva ter atrapalhado os serviços e obrigando empresas a refazerem o serviço a custo zero, a Prefeitura fechou parceria com o Governo do Estado, assegurando mais R$ 20 milhões e aumentando o número de equipes para realizar os serviços. 

O secretário de Infraestrutura e Serviços Públicos, Rudi Fiorese reconhece que quase 3 mil quilômetros das ruas de Campo Grande estão com a pavimentação danificada e que o serviço de remendo é um paliativo. Segundo ele, tais obras são realizadas por conta da situação financeira que a prefeitura enfrenta. 

“Temos consciência que o tapa-buraco é uma solução emergencial, diante da falta de recursos, mas estamos procurando monitorar o serviço, para que seja feito dentro das  recomendações técnicas, para que tenham durabilidade. Boa parte dos 2.800 quilômetros de vias pavimentadas da cidade está com seu tempo de vida útil comprometido. O ideal era o recapeamento, com isto, a cada nova chuva, aparecem novos buracos naqueles trechos mais comprometidos”, afirma 

Outros serviços

Trabalhos de limpeza e roçada de pátios de escolas, centros de educação infantil, praças e áreas verdes também estão na lista dos afazeres da Prefeitura. Recentemente a área onde está situada a construção onde funcionará o Centro de Belas Artes recebeu atenção de uma equipe

Conforme divulgado pela prefeitura, há 285 áreas públicas, contabilizando 50 hectares, para serem conservadas, incluindo praças, canteiros centrais e parques como o Jacques da Luz. Rudi salienta que a prefeitura sofre com falta de equipamentos, mas segue com os trabalhos. “Encontramos a Secretaria com 10 roçadeiras costais, dois tratores quebrados e caminhões basculantes antigos, com problemas mecânicos”, justifica Rudi. 

Ao assumir a prefeitura, na área da iluminação pública, a gestão contabilizou cerca de 30 mil lâmpadas queimadas, cobrança da Cosip (a contribuição que custeia o serviço) judicializada há seis meses e os contratos das prestadores de serviço com saldos insuficientes para cobrir a demanda de serviço. Até agora já houve  a substituição de 10 mil lâmpadas.

Por fim, a Prefeitura informa que foram retomados os trabalhos de manutenção das estradas vicinais, com a recuperação das vias CG-140, CG-180, CG- 160. No setor de meio ambiente, a construção de micro bacias de contenção de erosão, visa preservação da bacia do córrego Guariroba. Houve também a recuperação das vias de acesso ao quilombo da Comunidade Buriti e manutenção no sistema de iluminação com implantação de novas luminárias. O distrito de Anhanduí também entrou na prioridade da pasta, com a manutenção das ruas e da iluminação pública.

Jornal Midiamax