Cotidiano

Policiais desmontam acampamento, mas mantêm briga por reajuste salarial

Governo  concedeu 7% de aumento, já previsto por lei de 2014

Celso Bejarano Publicado em 15/07/2017, às 16h42

None

Governo  concedeu 7% de aumento, já previsto por lei de 2014

Policiais civis de Mato Grosso do Sul definiram em assembleia geral, neste sábado (15), suspender o acampamento instalado há 40 dias em frente à sede da governadoria, no Parque dos Poderes, em Campo Grande.

A categoria vai receber reajuste salarial de 7%, a partir de agosto, mês que vem, percentual que já era previsto em lei criada ainda na gestão do ex-governador André Puccinelli, do PMDB, em 2014.

A atual gestão recuou na principal reivindicação do Sinpol, o sindicato da classe – 2,1 mil em atividade -, que quer um aumento de 2,94%, número que representa a reposição inflacionária.

“Suspender o acampamento não quer dizer que o movimento tenha sido desmobilizado. Pelo contrário, se essa reposição não for anunciada pelo governo vamos promover manifestos mais incisivos. Se não acampássemos nem sequer o aumento já garantido por lei tínhamos conseguido”, disse Jean Carlo Miranda, o presidente do Sinpol.

Uma das medidas estudadas pela entidade, é a de montar acampamento em frente ao prédio onde mora o governador Reinaldo Azambuja, do PSDB, no Jardim dos Estados. 

Entre as duas principais solicitações do Sinpol estão a reposição dos 2,94% e também mudanças no modelo que permite a promoção dos policiais.

Hoje, o policial ou a policial que ingressa na categoria recebe salário de R$ 3.888,00 e é inserido na 3ª Classe, nível 1.
Daí em diante, para o policial – investigador ou escrivão – alcançar o nível máximo da escala promocional, precisa subir ao menos 11 degraus, que transitam entre a 3ª Classe, 2ª Classe, até a Classe Especial, cujo salário gira em torno de R$ 8 mil.

O Sinpol queixa-se, ainda, da diferença de salário se comparado o de um investigador, por exemplo, com a remuneração de um delegado da Polícia Civil começo de carreira.

Para conquistar a Classe Especial, por exemplo, o policial precisa se dedicar ao cargo por ao menos três décadas e se aposentar com salário de R$ 8 mil, perto da metade da remuneração de um delegado, que é de R$ 14 mil

PROMOÇÃO

A promoção assim é distribuída pela regra atual: 80% por antiguidade, o conhecido tempo de serviço; e 20%, por merecimento. O sindicato quer que o projeto da promoção seja remodelado e que o impulso profissional seja aplicado aos policiais que estiverem, por exemplo, com os cursos ofertados à categoria, em dia.

Policiais desmontam acampamento, mas mantêm briga por reajuste salarial

Na proposta do Sinpol, que mantém os 80%, por antiguidade, e 20% por merecimento, se o nome do policial, por três anos seguidos, aparecer na lista, deve ser promovido automaticamente.

O governo concordou com o propósito, contudo, pediu tempo de 90 dias para mandar o plano para a aprovação da Assembleia.

“O projeto está pronto e vamos dar prazo de um mês para o governo encaminhar a ideia”, disse Jean Carlo. A assembleia dos policiais, realizada na sede do sindicato, situada aos arredores do Conjunto José Abrão, reuniu em torno de 300 pessoas. À tarde, a categoria seguiu para frente da governadoria, onde desmontou o acampamento, plantou uma árvore e cantou os hinos da Polícia Civil e nacional.

Jornal Midiamax