Cotidiano

Obras do Reviva Centro começam em janeiro pela Rua 14 de Julho

Mudanças incluem a retirada de linhas de ônibus da 14

Midiamax Publicado em 04/10/2017, às 14h45

None

Mudanças incluem a retirada de linhas de ônibus da 14

Lançado há 7 anos, as obras do Reviva Centro finalmente têm data para começar.  A coordenadora de projetos especiais da prefeitura de Campo Grande, Catiana Sabatin, adiantou que a Rua 14 de julho recebe a revitalização a partir de janeiro de 2018. O anúncio foi feito nesta quarta-feira (4), durante Audiência Pública na Câmara Municipal. 

O contrato de financiamento dos U$ 56 milhões destinados a revitalização foi assinado em assinado em 12 de maio, pelo prefeito Marquinhos Trad (PSD) e Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), em Brasília. O próximo passo é a abertura do processo de licitação para a escolha da empresa, previsto para outubro. 

O processo de contratação pode levar cerca de dois meses, portanto, as obras poderiam começar em dezembro, mas a coordenadora explicou que janeiro ficou definido para não atrapalhar o movimento do comércio no fim ano, que costuma ser o melhor período de vendas da região. Catiana também detalhou que serão colocados tapumes para não atrapalhar o funcionamento das lojas e a circulação de consumidores.

A 14 de Julho será protagonista da revitalização, e o primeiro feito deve começar pela iluminação pública, que passará a ser embutida, assim como já existe na Avenida Paulista, em São Paulo. Nesses 1.4 km serão gastos U$ 36 milhões. Todo o espaço dentro dessa área irá receber modificações, e ainda está prevista a implantação de árvores adultas, para proporcionar conforto aos pedestres. 

A calçada será ampliada, com o intuito de dar mais comodidade aos frequentadores, e para isso duas faixas de rolamento serão excluídas. Por causa da redução do asfalto, as linhas de ônibus que passampela via terão que mudar o itinerário. 

Catiana esclareceu que as duas linhas que fazem o trajeto da 14 serão desviadas para o corredor de transporte da Rua Rui Barbosa e avenida Calógeras. O mesmo deve ser feito com os itinerários dos ônibus que utilizam a 13 de Maio. “A ideia é concentrar o transporte público nestas duas vias, com estrutura, transbordo”, comentou. 

Trecho ‘caminhável’

Dentro dos U$ 56 milhões previstos para a reforma da área central, a prefeitura planeja o que chama de ‘requalificação do eixo caminhável’, que na prática deve facilitar o acesso de pedestres ao  Horto Floreatal, Mercadão e Morada dos Baís.  

Segundo a diretora-executiva de Planejamento e Gestão Estratégica, Catiana Sabadin, a prefeitura vai realizar o  tratamento de calçada, de iluminação, acessibilidade, de mobiliário urbano e tentar melhorar a circulação na região do Camelódromo”, detalhou.

De acordo como município, as ações visam promover a requalificação urbana, incentivando a ocupação dos terrenos e edificações, mediante a melhoria da infraestrutura e dos espaços públicos; da eficiência do sistema de transporte coletivo e da acessibilidade; fortalecendo a capacidade de planejamento e mobilidade urbana.

“Não tem um circuito que seja caminhável. A gente quer trabalhar um projeto para tornar aquele ambiente mais agradável, para as pessoas ficarem mais tempo no Centro, conviver”, complementa.

Projeto 

O acordo é que o empréstimo seja pago em até 25 anos, carência para de cinco anos e seis meses para o início do pagamento e juros de 2% ao ano. O objetivo, de acordo com a prefeitura, é criar um ambiente de shopping a céu aberto, para valorizar o comércio e o trânsito de pedestres. Para isso, o estacionamento será banido em três quadras e a faixa de rolamento será reduzida a duas faixas para que as calçadas sejam ampliadas.

Uma das mudanças mais esperadas é a implantação das redes elétricas embutidas, que passarão a ser subterrâneas. Também é mencionada a uniformização do mobiliário urbano como lixeiras, telefones públicos e bancas de revista. O projeto também vai abranger a Rua Pedro Celestino e as avenidas Ernesto Geisel e Fernando Corrêa e Mato Grosso.

Jornal Midiamax