Cotidiano

Moradores fecham rodovia em protesto contra ordem de despejo

Manifestantes ocupam há 30 anos área particular no Indubrasil

Midiamax Publicado em 01/06/2017, às 11h22

None

Manifestantes ocupam há 30 anos área particular no Indubrasil

Cerca de 70 famílias que vivem em uma área particular, ocupada há 30 ano no Núcleo Industrial de Campo Grande, fecharam por volta das 6 horas desta quinta-feira (1º) um trecho da BR-262, que dá acesso ao Indubrasil. Os   moradores receberam ordem de despejo e devem desocupar a área até o próximo dia 12.

Os manifestantes espalharam troncos e galhos na pista e bloquearam a passagem. O tráfego na região ficou totalmente interditado. Leitores do Jornal Midiamax que precisaram passar pelo local no início desta manhã criticaram o fechamento da rodovia. 

“Preciso trabalhar e não tenho como passar”, disse uma leitora, que preferiu não se identificar.

Cerca de duas horas após o início da manifestação, líderes da ação conversaram com a equipe da PRF (Policia Rodoviária Federal), que está no local, e concordaram em liberar o tráfego a cada 10 minutos. Moradores fecham rodovia em protesto contra ordem de despejo

Florença Cristaldo, de 57 anos, líder da manifestação, diz que os protestos continuam nos próximos dias e os moradores pretendem negociar com o proprietário para permanecerem no local. “Queremos conversar. Estamos aqui há 30 anos e não vamos sair”, frisa. 

Entenda o caso –Moradores fecham rodovia em protesto contra ordem de despejo

A área denominada pelos ocupantes como Bairro Novo Indubrasil pertence a Ronaldo Aires Viana. O local, ocupado há 30 anos, fica na continuidade da Rua Noroeste, paralela a Rua Roda Velha. As duas vias são divididas pelos trilhos ferroviários.

Processo de reivindicação da área foi aberto em 1992 pelos proprietários originais e julgada procedente, ou seja, o juiz decidiu que a ocupação era ilegal.

O magistrado estabeleceu que as pessoas que tinham invadido a área, até a data de início da ação, fariam jus a uma indenização e que isso deveria ser um objeto de liquidação de sentença, porém quem entrou depois disso teria apenas, o direito de retirar as benfeitorias do local.

Manifestantes prometem novos protestos

Moradores dizem que a ocupação foi iniciada por José Faustino, conhecido como ‘Zé do Bicho’, com o aval de um vereador, que teve a identidade preservada, que teria prometido a regularização da área às famílias, mas isso nunca ocorreu. No local, vivem cerca de 200 famílias, boa parte, moradores que nasceram no local.

Jornal Midiamax