Cotidiano

Governador veta projeto que proibia celulares em UTIs neonatais de MS

Deputado acredita que aparelhos expõe bebês a bactérias

Joaquim Padilha Publicado em 27/09/2017, às 11h17

None

Deputado acredita que aparelhos expõe bebês a bactérias

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) vetou nesta quarta-feira (27) um projeto de lei que proibe a utilização de aparelhos celulares em UTIs neonatais, em todo o Estado. O veto agora voltará à Assembleia Legislativa, para receber a aprovação ou reprovação dos deputados estaduais.

O projeto, proposto pelo deputado Márcio Fernandes (PMDB), incluía uma multa para quem utilizasse os telefones celulares nas UTIs neonatais. O aparelho só poderia ser utilizado fora dos prédios das unidades de tratamento, com higienização das mãos de quem o manuseasse.

Fernandes justificou o projeto com pesquisas médicas que apontam para o alto nível de proliferação de bactérias nos aparelhos celulares. Segundo um estudo da Universidade Metropolitana de Manchester, um celular possui tantas bactérias quanto uma sola de sapato.Governador veta projeto que proibia celulares em UTIs neonatais de MS

Para o deputado, a exposição dos bebês aos aparelhos poderia causar contaminação. “Trata-se de um ambiente onde estão crianças que são super sensíveis e que estão tentando ganhar defesa imunológica, e o aparelho celular é um transmissor de contaminação que podemos evitar”, justificou.

O governador Azambuja justificou o veto alegando que a propostas “padece de vício de inconstitucionalidade formal” por legislar sobre assuntos de competência da União, como dispor acerca de atividades de instituições privadas, e cria obrigações ao Poder Executivo estadual.

Jornal Midiamax