Cotidiano

Fiscais recolhem produtos de envolvidos na ‘Carne Fraca’ em mercados da Capital

Operação vai testar carnes de frigoríficos de MS

Wendy Tonhati Publicado em 22/03/2017, às 14h59

None
3.jpg

Operação vai testar carnes de frigoríficos de MS

Fiscais do Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) estão recolhendo em Campo Grande, nesta quarta-feira (22), amostras de produtos de 19 frigoríficos envolvidos no escândalo de carnes adulteradas, apurado pela PF (Polícia Federal) na Operação Carne Fraca.

De acordo com nota da Superintendência Regional do Mapa, serão feitas “rigorosas análises físico-químicas e microbiológicas”. As amostras serão encaminhadas para os laboratórios do Mapa no Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo, Pará, Minas Gerais, Goiás e Pernambuco. 

Na operação, auditores fiscais agropecuários estão coletando linguiça, salsicha, presunto, apresuntado, mortadela, hambúrguer, bacon, carne congelada de frango e peru, frango inteiro congelado, queijo muçarela e mel. 

A operação atende à decisão da 14ª Vara Federa de Curitiba. Até o momento, segundo a Superintendência do Mapa, não há nenhum frigorífico ou estabelecimento do Estado sob investigação. Na última terça-feira (21), a Prefeitura de Campo Grande também começou a inspecionar açougues dos principais supermercados da Capital com o objetivo de verificar as condições dos produtos comercializados.

Operação Carne Fraca

A Operação Carne Fraca foi deflagrada pela Polícia Federal na última sexta-feira (17), com o objetivo de cumprir 309 mandados judiciais em seis estados e no Distrito Federal. Mato Grosso do Sul não estava entre eles. 

A operação detectou, em quase dois anos de investigação, que as  Superintendências Regionais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, do Paraná, Minas Gerais e Goiás atuavam diretamente para proteger grupos empresariais, em detrimento do interesse público. Os agentes públicos, utilizando-se do poder fiscalizatório do cargo, mediante pagamento de propina, atuavam para facilitar a produção de alimentos adulterados, emitindo certificados sanitários sem qualquer fiscalização efetiva.

Em Mato Grosso do Sul, entidades ligadas ao setor pecuário emitiram nota aos consumidores e os empresários a respeito dos impactos negativos da Operação Carne Fraca. As entidades reforçam a qualidade da carne brasileira e o “trabalho exemplar realizado pelos fiscais agropecuários de Mato Grosso do Sul”.

Em carta aberta, os produtores manifestaram-se contrários a qualquer tipo de irregularidade e afirmam que é preciso ter cuidado e responsabilidade nas divulgações, pois casos pontuais não podem prejudicar o trabalho desenvolvido no setor agropecuário.

Pecuaristas do Estado chegaram a dizer que frigoríficos já haviam parado o abate. Somente nos meses de janeiro e fevereiro deste ano, a pecuária de Mato Grosso do Sul exportou 19.858.914 quilos de carne, aproximadamente US$ 78 milhões. (Matéria editada às 12h34 para acréscimo de informações)

(Foto: assessoria de imprensa)

Jornal Midiamax