350 equipamentos já foram instalados, segundo sindicato

O prazo,  dado pela prefeitura de Campo Grande, para instalação dos mototaxímetros terminou no dia 22 de agosto. Nesta sexta-feira (15) dos 490 mototaxistas cadastrados apenas 350 teriam instalado o equipamento e segundo a Agetran (Agência Municipal de Trânsito e Transporte) o que tem causado o atraso na instalação seria a fila para agendamento no Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia).

Revoltado, um mototaxista que não quis se identificar, denuncia suposta máfia na cobrança das corridas. Segundo ele, em trajeto onde o mototaxímetro registra R$ 4,50, trabalhadores que ainda não fizeram a instalação do aparelho cobram até R$ 12. “Isso é desleal e ninguém está fiscalizando”, relata.

Mas segundo informado em nota pela Agetran, eles estão realizando as fiscalizações de rotina mas o que tem ocasionado esse atraso na instalação é o agendamento no Inmetro, em razão da grande procura da categoria.  

De acordo com o presidente do Simtams (Sindicato dos Mototaxistas de Mato Grosso do Sul) Dorvair Caburé, por dia, a empresa responsável pela instalação faz a implantação de 10 equipamentos. Ele afirma que até o momento cerca de 350 trabalhadores instalaram o aparelho, 100 aguardam instalação e 40 ainda não compraram o mototaxímetro.Fila para agendamento no Inmetro atrasa instalação de mototaxímetros

“Não dá para todo mundo instalar de uma vez só, isso demanda tempo. De qualquer maneira acredito que até o início de outubro todas as motocicletas já estejam com o registrador funcionando”, afirma.

Caburé também pede ajuda dos usuários para que cobrem dos trabalhadores a instalação do mototaxímetro. “A pessoa tem que exigir que o mototaxista tenha o aparelho porque assim todo mundo instala e o usuário paga o preço justo”, finaliza.

Luciana Boni, diretora técnica da AEM-MS (Agência Estadual de Metrologia de Mato Grosso do Sul), órgão vinculado ao Inmetro, informou que não há problemas de filas. “Não existe fila para a verificação dos instrumentos. Temos disponibilidade  de realizar  25 verificações por dia e, no entanto, a demanda é de máximo 12 por dia. Temos um metrologista totalmente a disposição  para realizar  apenas essa atividade. Caso estejam enfrentando fila para agendamento, é na hora da instalação realizada pela oficina permissionária”, explicou.                       

Decreto

O decreto lançado em fevereiro de 2017, pelo prefeito Marquinhos Trad (PSD) o prazo era de 180 dias,  vencido no dia 22 de agostom a instalação do mototaxímetro. O custo do equipamento, de acordo com a empresa Sufab, seria de R$ 950 por trabalhador e seria dividido em até seis vezes.

Todos os 490 profissionais devem ter o equipamento instalado, sob pena de cassação da autorização do uso do tráfico.

Custo da corrida

Com o mototaxímetro, cada corrida passa a valer R$ 1,20 quilômetro na bandeira dois, que começa a valer a partir das 13h de sábado até as 6h da segunda-feira e nos feriados. Nos demais dias e horários será considerada a bandeira comum e a corrida custará R$ 1 por quilômetro.

 

 

[Matéria editada às 18:08 para acréscimo de informação]