Empresários e Detran-MS não definiram repasse do aumento no preço da vistoria

Após impasse, Detran-MS e associação devem se reunir
| 24/10/2017
- 16:05
Empresários e Detran-MS não definiram repasse do aumento no preço da vistoria

Após impasse, Detran-MS e associação devem se reunir

O Detran-MS (Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso do Sul) negou a informação de que o custo das vistorias veiculares realizadas pelas empresas conveniadas ao Departamento deve aumentar no Estado, em nota enviada à imprensa.

A informação havia sido confirmada pelo presidente da Assovis (Associação das Empresas de Vistorias de MS), Gabriel Marcos Vit, nesta segunda-feira (24), após o Detran-MS publicar uma portaria que regulamentava o procedimento de acesso ao banco de dados do órgão.

Segundo a portaria do Detran-MS, empresas de tecnologia de informação, conveniadas ao Denatran (Departamento Nacional de Trânsito), teriam de pagar uma taxa de 0,5 Uferms (cerca de R$ 12) para cada acesso aos bancos de dados do Departamento.

Em nota, o Detran-MS negou que o custo pelos acessos impacte no preço das vistorias obrigatórias para licenciamento. Segundo o Departamento, os serviços afetados são aqueles referentes ao Certificado de Registro de Veículo, como transferências e alterações de características dos veículos.Empresários e Detran-MS não definiram repasse do aumento no preço da vistoria

Ainda conforme a nota, “o valor cobrado a partir de agora é um ressarcimento ao Detran-MS, que tem um custo pelo sistema no qual estão armazenadas as informações utilizadas pelas empresas”.

Associação mantém aumento​

O presidente da Assovis, Gabriel Vit, mantém a afirmação de que o custo das vistorias veiculares deve aumentar com a cobrança pelo acesso ao sistema de dados do Detran-MS. “Eles estão dizendo uma coisa que não é realidade”, disse.

Segundo ele, a cobrança aplicadas às empresas de tecnologia deve afetar o trabalho das vistoriadoras. “O objetivo delas [das empresas de TI] é fornecer o sistema pras empresas de vistoria fornecerem o laudo. A partir do momento que elas têm um custo, esse custo é repassado de modo automático pras empresas de vistoria”, explica.

Gabriel Vit também afirma que as vistorias também dependem do acesso ao sistema de banco de dados do Detran-MS, e não apenas as emissões de CRV. “Toda vez que a gente tiver que emitir um laudo de vistoria, vai ter esse custo”, diz.

O presidente da Associação disse que pretende ter uma reunião com representantes do Detran-MS nesta quarta-feira (25), para discutir a portaria.

Veja também

Últimas notícias