Cotidiano

Superintendente do Incra diz que avalia forma de destravar reforma agrária em MS

Ele afirma que há possibilidade de avanços

Ana Paula Chuva Publicado em 28/06/2016, às 21h38

None
_mg_1942_interna.jpg

Ele afirma que há possibilidade de avanços

Após 2 horas de atraso o superintendente nacional do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) Leonardo Góes, chegou ao prédio onde os integrantes dos movimentos estavam e antes de entrar na reunião afirmou que o Incra veio dialogar com os movimentos sociais para avançar e discutir eventuais entraves na pauta da reforma agrária aqui no Estado.

“O Incra está fazendo uma análise das possibilidades aqui em Mato Grosso do Sul e se comprometendo a analisar os casos. Existe possibilidade de avanço. Nosso papel aqui é pacificar, ouvir a pauta dos movimentos e atuar de forma a diminuir a tensão por terra no Estado”, disse Leonardo.

Uma das reivindicações dos movimentos ali presentes é a questão dos programas sociais do MDA (Ministério do Desenvolvimento Agrário) como o Pronatec Campo, e a entrega de 4 mil cestas básicas em caráter emergencial. Sobre as cestas básicas o superintendente afirmou que não é de responsabilidade do Incra, mas sim da Conab (Companhia Nacional do Abastecimento). “O Incra ajuda apenas na logísticas da entrega das cestas, mas o programa é coordenado pela Conab junto ao Ministério da Agricultura. O Incra articula a medida em que os alimentos são adquiridos e ajuda na entrega”.

Sobre a reunião pela manhã com líderes dos movimentos, Leonardo contou que foram discutidas apenas questões da pauta da reforma agrária e negou agenda com governador e a nomeação de um superintendente aqui no Estado. “Não existe agenda com o governador, mas se necessário nos reuniremos com todo mundo para resolver as questões. A nossa vinda aqui não é para nomeação de superintendente. Discutir questões administrativas não é o nosso objetivo”, disse.

Na reunião com os movimentos esteve presente também o deputado estadual Zeca do PT. 

Dívidas do Incra-MS

As dividas do órgão aqui no Estado, de acordo com a administração já chegam há R$ 1,1 milhão, e o repasse que seria de R$ 250 mensais não aconteceu como o esperado. O Governo Federal repassou nesse primeiro semestre apenas R$ 700 mil para MS, o que não é suficiente para arcar com as despesas.

Para Leonardo é preciso que haja uma otimização no uso dos recursos que são repassados, mas que em curto prazo a demanda tem acontecido dentro da normalidade. “ O Incra já está fazendo a equalização desse pagamentos, se existe algum atraso estamos discutindo com a superintendência no Estado para resolvermos em curto prazo. É preciso que o uso do orçamento seja feito de forma inteligente. Estamos trabalhando uma forma de otimizar o uso dos recursos, reduzir despesas e cumprir as demandas”, concluiu. 

Entenda o caso

Na manhã desta terça-feira cerca de 150 pessoas de 10 movimentos sociais que pedem a reforma agrária ocuparam o prédio do Incra aqui no Estado. Eles souberam da vinda do superintendente nacional na tarde desta segunda-feira e organizaram bloqueio de 7 pontos em rodovias federais e estaduais e a ocupação do prédio. 

Eles esperaram cerca de 2h pela chegada de Leonardo Góes, superintendente nacional, e afirmaram que se não tiveram uma resposta favorável os bloqueios continuarão, mas que nesta quarta-feira aumentarão para 21 os pontos de bloqueio nas rodovias e manterão a ocupação do prédio. 

(Sob supervisão de Marta Ferreira)

Jornal Midiamax